Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Julho de 2013

“Quem é realmente o escravo fiel e discreto?”

“Quem é realmente o escravo fiel e discreto?”

“Quem é realmente o escravo fiel e discreto a quem o seu amo designou sobre os seus domésticos?” — MAT. 24:45.

1, 2. Por meio de que canal Jesus está nos alimentando hoje, e por que é essencial reconhecermos esse canal?

“IRMÃOS, é impossível contar quantas vezes vocês já colocaram nas minhas mãos artigos que continham exatamente o que eu precisava e quando eu mais precisava.” Foi assim que uma irmã expressou seu apreço numa carta aos irmãos que trabalham na nossa sede mundial. Consegue se identificar com ela? Muitos de nós diríamos que sim. Isso deveria nos surpreender? Na verdade, não.

2 O oportuno alimento espiritual que recebemos é prova de que Jesus, o Cabeça da congregação, está cumprindo sua promessa de nos alimentar. Por meio de quem ele está fazendo isso? Ao fornecer o sinal de sua presença, Jesus disse que usaria “o escravo fiel e discreto” para prover “alimento no tempo apropriado” aos seus domésticos. * (Leia Mateus 24:45-47.) Esse escravo fiel é o canal que Jesus está usando para alimentar seus seguidores verdadeiros neste tempo do fim. É essencial reconhecermos esse escravo fiel. Nossa saúde espiritual e nossa relação com Deus dependem desse canal. — Mat. 4:4; João 17:3.

3. O que nossas publicações diziam sobre a ilustração do escravo fiel?

3 Como, então, devemos entender a ilustração de Jesus sobre o escravo fiel? No passado, nossas publicações diziam o seguinte: No Pentecostes de 33 EC, Jesus designou o escravo fiel sobre seus domésticos. O escravo representa todos os cristãos ungidos como grupo na Terra em qualquer época desde aquele tempo. Os domésticos referem-se aos mesmos ungidos como indivíduos. Em 1919, Jesus designou o escravo fiel “sobre todos os seus bens” — todos os seus interesses terrestres do Reino. No entanto, um cuidadoso estudo adicional, além de meditação com oração, indica que nosso entendimento das palavras de Jesus sobre o escravo fiel e discreto precisa ser ajustado. (Pro. 4:18) Vamos examinar a ilustração e ver como ela nos envolve, quer tenhamos esperança celestial, quer terrestre.

QUANDO A ILUSTRAÇÃO SE CUMPRE?

4-6. Por que podemos concluir que a ilustração de Jesus sobre o escravo fiel começou a se cumprir apenas depois de 1914?

4 O contexto da ilustração do escravo fiel e discreto mostra que ela não começou a se cumprir no Pentecostes de 33 EC, mas neste tempo do fim. Vejamos como as Escrituras nos levam a essa conclusão.

5 A ilustração do escravo fiel faz parte da profecia de Jesus sobre “o sinal da [Sua] presença e da terminação do sistema de coisas”. (Mat. 24:3) A primeira parte da profecia, registrada em Mateus 24:4-22, tem dois cumprimentos — o primeiro, nos anos de 33 EC a 70 EC, e o segundo com um alcance maior em nossos dias. Significa isso que as palavras de Jesus a respeito do escravo fiel também teriam dois cumprimentos? Não.

6 Começando com as palavras em Mateus 24:29, Jesus focalizou principalmente acontecimentos que ocorreriam em nossos dias. (Leia Mateus 24:30, 42, 44.) Falando sobre o que acontecerá na grande tribulação, ele disse que as pessoas “verão o Filho do homem vir nas nuvens do céu”. Então, com palavras que se aplicam aos que vivem nestes últimos dias, ele destacou a necessidade de vigilância, dizendo: “Não sabeis em que dia virá o vosso Senhore “o Filho do homem vem numa hora em que não pensais”. * Nesse contexto — ao falar sobre acontecimentos que ocorreriam nos últimos dias — Jesus fez a ilustração do escravo fiel. Portanto, podemos concluir que as suas palavras sobre o escravo fiel começaram a se cumprir apenas depois do início dos últimos dias em 1914. Essa conclusão faz sentido. Por quê?

7. Que pergunta vital surgiu com o início da época da colheita, e por quê?

7 Pense por um momento nesta pergunta: “Quem é realmente o escravo fiel e discreto?” No primeiro século, não havia um bom motivo para se fazer essa pergunta. Como vimos no artigo anterior, os apóstolos podiam realizar milagres e até mesmo conceder dons milagrosos como prova de apoio divino. (Atos 5:12) Assim, por que alguém perguntaria quem realmente era designado por Cristo para tomar a dianteira? Em 1914, porém, a situação era muito diferente. A época da colheita começou naquele ano. Finalmente havia chegado o tempo para separar o joio do trigo. (Mat. 13:36-43) Com o início da época da colheita, surgiu uma pergunta vital: com tantos cristãos de imitação afirmando ser os verdadeiros seguidores de Jesus, como poderia o trigo (cristãos ungidos) ser identificado? A ilustração do escravo fiel forneceu uma resposta. Os seguidores ungidos de Cristo seriam os que estivessem bem alimentados espiritualmente.

QUEM É O ESCRAVO FIEL E DISCRETO?

8. Por que é apropriado que o escravo fiel seja composto de cristãos ungidos?

8 O escravo fiel tem de ser composto de cristãos ungidos na Terra. Esses são chamados de “sacerdócio real” e foram encarregados de ‘divulgar as excelências daquele que os chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz’. (1 Ped. 2:9) É apropriado que membros desse “sacerdócio real” participem diretamente em ensinar a verdade a seus companheiros de adoração. — Mal. 2:7; Rev. 12:17.

9. Será que todos os cristãos ungidos fazem parte do escravo fiel? Explique.

9 Será que todos os ungidos na Terra fazem parte do escravo fiel? Não. Na realidade nem todos os ungidos têm um papel em prover alimento espiritual para os companheiros de adoração no mundo inteiro. Entre o trigo há irmãos ungidos que talvez sirvam como servos ministeriais ou anciãos numa congregação. Eles ensinam de casa em casa e na congregação, e apoiam lealmente as orientações da sede mundial. Mas eles não têm parte em prover o alimento espiritual para a fraternidade mundial. Além disso, entre os ungidos há irmãs humildes, que jamais tentariam assumir o papel de instrutores na congregação. — 1 Cor. 11:3; 14:34.

10. Quem é o escravo fiel e discreto?

10 Quem, então, é o escravo fiel e discreto? Em harmonia com o padrão de Jesus de alimentar muitos pelas mãos de poucos, esse escravo se compõe de um pequeno grupo de irmãos ungidos diretamente envolvidos na preparação e distribuição de alimento espiritual durante a presença de Cristo. No decorrer dos últimos dias, os irmãos ungidos que compõem o escravo fiel têm servido juntos na sede mundial. Em décadas recentes, esse escravo tem sido composto do Corpo Governante das Testemunhas de Jeová. Note, porém, que embora o escravo seja composto de mais de uma pessoa ele é descrito na ilustração de Jesus como apenas um escravo. Assim, as decisões do Corpo Governante são tomadas coletivamente.

QUEM SÃO OS DOMÉSTICOS?

11, 12. (a) Que duas designações o escravo fiel e discreto recebe? (b) Quando Jesus designou o escravo fiel sobre seus domésticos, e quem ele escolheu?

11 É digno de nota que na ilustração de Jesus o escravo fiel e discreto recebe duas designações diferentes. A primeira é sobre os domésticos; a segunda, sobre todos os bens do amo. Visto que a ilustração se cumpre apenas neste tempo do fim, ambas as designações teriam de ser dadas depois que começou a presença de Jesus no poder do Reino em 1914.

12 Quando Jesus designou o escravo fiel sobre seus domésticos? Para responder a isso, temos de voltar a 1914 — o começo da época da colheita. Como já analisamos, naquele tempo muitos grupos se diziam cristãos. De qual grupo Jesus escolheria e designaria o escravo fiel? Essa pergunta foi respondida depois que ele e seu Pai vieram inspecionar o templo, ou o arranjo espiritual para adoração, de 1914 até a parte inicial de 1919. * (Mal. 3:1) Eles se alegraram com um pequeno grupo de leais Estudantes da Bíblia que mostravam que seu coração estava com Jeová e sua Palavra. É verdade que eles precisavam de alguma purificação, mas humildemente a aceitaram durante um curto período de teste e refinamento. (Mal. 3:2-4) Esses fiéis Estudantes da Bíblia eram o verdadeiro trigo cristão. Em 1919, um período de reavivamento espiritual, Jesus selecionou dentre eles irmãos ungidos capazes para ser o escravo fiel e discreto e os designou sobre seus domésticos.

13. Quem está incluído nos domésticos, e por quê?

13 Quem, então, são os domésticos? Em termos simples, os que são alimentados. No início dos últimos dias, os domésticos eram todos ungidos. Depois, os domésticos passaram a incluir a grande multidão de outras ovelhas. As outras ovelhas hoje compõem a grande maioria do “um só rebanho” sob a liderança de Cristo. (João 10:16) Ambos os grupos se beneficiam do mesmo oportuno alimento espiritual provido pelo escravo fiel. Que dizer dos membros do Corpo Governante que hoje compõem o escravo fiel e discreto? Esses irmãos também precisam ser alimentados espiritualmente. Assim, reconhecem humildemente que, como indivíduos, são domésticos assim como todos os outros seguidores genuínos de Jesus.

Quer nossa esperança seja celestial, quer terrestre, todos nós somos domésticos e precisamos do mesmo oportuno alimento espiritual

14. (a) Que responsabilidade o escravo fiel recebeu, e o que isso inclui? (b) Que alerta Jesus deu ao escravo fiel e discreto? (Veja o quadro ‘Se aquele escravo mau . . .’)

14 Jesus confiou ao escravo fiel e discreto uma pesada responsabilidade. Nos tempos bíblicos, o escravo de confiança, ou mordomo, era um administrador doméstico. (Luc. 12:42) De modo que o escravo fiel e discreto é responsável por administrar a família da fé. Essa responsabilidade inclui administrar os bens materiais, a atividade de pregação, programas de assembleias e congressos e a produção de publicações bíblicas para uso no ministério de campo e no estudo pessoal e congregacional. Os domésticos dependem de todas as provisões espirituais providas pelo escravo composto.

DESIGNADO SOBRE TODOS OS BENS DO AMO — QUANDO?

15, 16. Quando Jesus designa o escravo fiel sobre todos os seus bens?

15 Quando Jesus fará a segunda designação — “sobre todos os seus bens”? Ele disse: “Feliz aquele escravo, se o seu amo, ao chegar [“tendo vindo”, Kingdom Interlinear (Interlinear do Reino)], o achar fazendo assim! Deveras, eu vos digo: Ele o designará sobre todos os seus bens.” (Mat. 24:46, 47) Note que Jesus faz a segunda designação depois de chegar e encontrar o escravo “fazendo assim”, isto é, provendo fielmente alimento espiritual. Portanto, haveria um intervalo entre as duas designações. Para entender como e quando Jesus designa o escravo sobre todos os seus bens, temos de saber duas coisas: quando ele chega e o que seus bens incluem.

16 Quando Jesus chega? A resposta se encontra no contexto. Lembre-se de que, quando os versículos anteriores falam de Jesus como ‘vindo’, isso se refere ao tempo em que ele vem para proferir e executar julgamento no fim deste sistema. * (Mat. 24:30, 42, 44) Assim, a ‘chegada’, ou ‘vinda’, de Jesus mencionada na ilustração do escravo fiel ocorre durante a grande tribulação.

17. O que os bens de Jesus incluem?

17 O que ‘todos os bens de Jesus’ incluem? Jesus não qualificou o termo “todos” como que limitando seus bens a coisas terrestres. Na verdade, Jesus tem grande autoridade celestial. “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra”, disse ele. (Mat. 28:18; Efé. 1:20-23) Seus bens hoje incluem o Reino messiânico, que lhe pertence desde 1914 e que ele compartilhará com seus seguidores ungidos. — Rev. 11:15.

18. Por que Jesus terá prazer em dar a designação sobre todos os seus bens?

18 Em vista do que acabamos de considerar, o que podemos concluir? Quando vier para julgar durante a grande tribulação, Jesus verá que o escravo fiel tem fornecido lealmente oportuno alimento espiritual aos domésticos. Jesus terá então prazer em lhe dar a segunda designação — sobre todos os seus bens. Os que compõem o escravo fiel ganharão essa designação quando receberem sua recompensa celestial, tornando-se corregentes com Cristo.

19. O escravo fiel receberá no céu uma recompensa maior do que a dos outros ungidos? Explique.

19 Será que o escravo fiel receberá no céu uma recompensa maior do que a dos outros ungidos? Não. Uma recompensa prometida a um pequeno grupo numa ocasião específica pode por fim ser compartilhada com outros. Por exemplo, veja o que Jesus disse aos 11 apóstolos fiéis na noite antes de sua morte. (Leia Lucas 22:28-30.) Jesus prometeu àquele pequeno grupo de homens que eles receberiam uma excelente recompensa pela sua fidelidade. Eles compartilhariam Seu trono de autoridade régia. Mas anos depois Jesus indicou que todos os 144 mil sentarão em tronos e participarão com ele no Seu governo. (Rev. 1:1; 3:21) Da mesma maneira, como registrado em Mateus 24:47, ele prometeu que um pequeno grupo de homens — os irmãos ungidos que compõem o escravo fiel — será designado sobre todos os seus bens. Na realidade, todos os 144 mil compartilharão da grande autoridade celestial de Jesus. — Rev. 20:4, 6.

Todos os 144 mil compartilharão da grande autoridade celestial de Jesus (Veja o parágrafo 19.)

20. Por que Jesus designou o escravo fiel, e o que você está decidido a fazer?

20 Por meio do escravo fiel e discreto, Jesus segue o padrão que ele estabeleceu no primeiro século: alimentar muitos pelas mãos de poucos. Jesus designou esse escravo fiel para garantir que seus seguidores verdadeiros — quer dos ungidos, quer das outras ovelhas — recebessem constantemente o oportuno alimento espiritual nos últimos dias. Estejamos decididos a mostrar apreço por darmos apoio leal aos irmãos ungidos que compõem esse escravo fiel e discreto. — Heb. 13:7, 17.

 

^ parágrafo 2 Parágrafo 2: Numa ocasião anterior, Jesus fez uma ilustração similar em que ele se referiu ao “escravo” como “mordomo” e aos “domésticos” como seu “corpo de assistentes”. — Luc. 12:42-44.

^ parágrafo 6 Parágrafo 6: A ‘vinda’ de Cristo (em grego: ér·kho·mai) é diferente de sua “presença” (pa·rou·sí·a). Sua presença invisível começa antes de sua vinda para executar julgamento.

^ parágrafo 12 Parágrafo 12: Veja o artigo “Eis que estou convosco todos os dias”, neste número desta revista, páginas 10-12, parágrafos 5-8.

^ parágrafo 16 Parágrafo 16: Veja o artigo “Dize-nos: Quando sucederão estas coisas?”, neste número desta revista, páginas 7-8, parágrafos 14-18.