Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Abril de 2013

Ajude a si mesmo e a outros usando a Palavra de Deus

Ajude a si mesmo e a outros usando a Palavra de Deus

“Tenho considerado direitas todas as ordens referentes a todas as coisas.” — SAL. 119:128.

1. Por que temos de ter plena confiança na Palavra de Deus?

QUANDO os anciãos consideram se um estudante da Bíblia se qualifica para participar no ministério de campo, eles se perguntam: ‘Será que as expressões da pessoa demonstram que ela acredita que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus?’ * Para quem deseja tornar-se publicador do Reino — de fato, para todos os servos de Deus — a resposta tem de ser um claro “sim”. Por quê? A nossa confiança na Palavra de Deus e habilidade de usá-la no ministério nos ajudará a auxiliar outros a conhecer a Jeová e a ganhar a salvação.

2. Por que devemos ‘continuar nas coisas que aprendemos’?

2 O apóstolo Paulo frisou a importância da Palavra de Deus quando escreveu a Timóteo: “Continua nas coisas que aprendeste e ficaste persuadido a crer.” As “coisas” a que Paulo se referiu são verdades bíblicas que levaram Timóteo a ter fé nas boas novas. Essas verdades têm tido o mesmo efeito sobre nós hoje, e continuam a nos ajudar a permanecer ‘sábios para a salvação’. (2 Tim. 3:14, 15) Costumamos usar as palavras seguintes de Paulo para mostrar a outros que a Bíblia é de origem divina, mas podemos pessoalmente obter um benefício adicional dessas palavras, registradas em 2 Timóteo 3:16. (Leia.) Analisemos esse versículo em mais detalhes. Isso fortalecerá nossa confiança de que todos os ensinos de Jeová são ‘direitos’. — Sal. 119:128.

“PROVEITOSA PARA ENSINAR”

3-5. (a) Que efeito teve sobre a multidão o discurso de Pedro no Pentecostes, e por quê? (b) Por que muitos em Tessalônica aceitaram a verdade? (c) O que talvez impressione as pessoas hoje a respeito de nosso ministério?

3 Jesus disse à nação de Israel: ‘Eu vos estou enviando profetas, sábios e instrutores públicos.’ (Mat. 23:34) Jesus se referia a seus discípulos, a quem ensinou a usar as Escrituras no seu ministério. No Pentecostes de 33 EC, um desses “instrutores públicos”, o apóstolo Pedro, proferiu um discurso a uma multidão em Jerusalém no qual citou vários trechos das Escrituras Hebraicas. Ao ouvirem a aplicação que Pedro fez desses trechos, muitos ouvintes “ficaram compungidos no coração”. Eles se arrependeram de seus pecados. Cerca de três mil deles buscaram o perdão de Deus e tornaram-se cristãos. — Atos 2:37-41.

4 Outro instrutor público, o apóstolo Paulo, pregou as boas novas muito além de Jerusalém. Por exemplo, na cidade de Tessalônica, na Macedônia, ele falou aos que estavam presentes numa sinagoga. Por três sábados, Paulo “raciocinou com eles à base das Escrituras, explicando e provando com referências que era necessário que o Cristo sofresse e fosse levantado dentre os mortos”. O resultado? “Alguns deles [judeus] tornaram-se crentes”, bem como “uma grande multidão dos gregos”. — Atos 17:1-4.

5 O modo como os atuais servos de Deus usam a Bíblia impressiona a muitos. Depois que um morador na Suíça ouviu uma irmã ler um texto bíblico, ele perguntou: “Você pertence a que religião?” Ela respondeu: “Eu e minha companheira somos Testemunhas de Jeová.” Ele disse: “Só podia ser. Quem além das Testemunhas de Jeová viria à minha casa para ler a Bíblia?”

6, 7. (a) Como os que ensinam na congregação podem fazer bom uso da Bíblia? (b) Por que é tão importante o uso eficaz das Escrituras quando dirigimos estudos bíblicos domiciliares?

6 Como podemos usar mais a Bíblia no nosso ensino? Se você tem o privilégio de ensinar a congregação da tribuna, use textos bíblicos específicos. Em vez de parafrasear textos-chaves, lê-los numa impressão de computador ou num dispositivo eletrônico, abra a Bíblia e leia diretamente nela, e incentive os presentes a fazer o mesmo. Além disso, tire tempo para mostrar a aplicação dos versículos de modo que ajude a assistência a se achegar mais a Jeová. Em vez de usar ilustrações complicadas e histórias que apenas divertem, use o tempo para esclarecer a Palavra de Deus.

7 De que devemos nos lembrar ao dirigir estudos bíblicos domiciliares? Ao usarmos nossas publicações cristãs, é preciso cuidar para não passar por alto as referências bíblicas. Devemos incentivar o estudante a ler os textos citados e ajudá-lo a captar o sentido. Como? Não por dar longas explicações que transformam o estudo numa série de ‘discursos’, mas por incentivar o estudante a se expressar. Em vez de dizer a ele em que crer ou como agir, podemos fazer perguntas bem formuladas que o ajudem a chegar a conclusões acertadas. *

‘PROVEITOSA PARA REPREENDER’

8. Que luta Paulo enfrentava no seu íntimo?

8 Muitas vezes encaramos a questão de “repreender” como tarefa que cabe aos anciãos cristãos. E, de fato, os superintendentes têm a responsabilidade de ‘repreender aqueles que praticam o pecado’. (1 Tim. 5:20; Tito 1:13) Mas é também importante repreender a nós mesmos. Paulo foi um cristão exemplar, que tinha consciência limpa. (2 Tim. 1:3) Mesmo assim, ele escreveu: “Observo em meus membros outra lei guerreando contra a lei da minha mente e levando-me cativo à lei do pecado.” Estudando o contexto dessas palavras, entenderemos melhor que luta Paulo tinha de travar para controlar sua natureza pecaminosa. — Leia Romanos 7:21-25.

9, 10. (a) Contra que possíveis fraquezas Paulo lutava? (b) Provavelmente, como Paulo lutava contra o pecado?

9 Contra que fraquezas Paulo tinha de lutar? Embora não as especificasse, ele escreveu a Timóteo dizendo que ele havia sido um “homem insolente”. (1 Tim. 1:13) Antes de sua conversão, a fúria de Paulo contra os cristãos era intensa. Quanto ao que ele sentia a respeito dos seguidores de Cristo, ele admitiu: “Eu estava extremamente enfurecido contra eles.” (Atos 26:11) Paulo aprendeu a controlar seu temperamento; ainda assim, às vezes deve ter lutado para controlar seus sentimentos e palavras. (Atos 15:36-39) O que o ajudou a ser bem-sucedido?

10 Ao escrever aos cristãos em Corinto, Paulo explicou a estratégia que usava para repreender a si mesmo. (Leia 1 Coríntios 9:26, 27.) Ele golpeava sua natureza humana imperfeita com golpes espirituais bem dirigidos. Muito provavelmente, ele procurava conselhos nas Escrituras, suplicava a ajuda de Jeová para aplicá-los e se esforçava para melhorar. * Podemos nos beneficiar de seu exemplo porque travamos uma luta similar contra as nossas inclinações imperfeitas.

11. Como podemos ‘persistir em nos examinar’ para ver se estamos andando no caminho da verdade?

11 Nunca devemos ficar acomodados na nossa adoração. Em vez disso, devemos ‘persistir em nos examinar’ para termos certeza de que estamos realmente andando no caminho da verdade. (2 Cor. 13:5) Ao lermos textos como Colossenses 3:5-10, podemos nos perguntar: ‘Estou me esforçando em amortecer minhas inclinações pecaminosas ou estou enfraquecendo moralmente? Ao usar a internet, quando aparece um site imoral, saio logo dele ou fico procurando outros sites impróprios?’ Essa aplicação pessoal dos conselhos da Palavra de Deus nos ajudará a ‘ficar despertos e manter os nossos sentidos’. — 1 Tes. 5:6-8.

‘PROVEITOSA PARA ENDIREITAR AS COISAS’

12, 13. (a) Qual deve ser o nosso objetivo ao “endireitar as coisas”, e como podemos imitar o exemplo de Jesus ao fazer isso? (b) Que tipo de linguagem não convém usar ao tentarmos “endireitar as coisas” com outros?

12 O termo grego traduzido “endireitar as coisas” significa “tornar bom, corrigir, restaurar a uma condição apropriada, correta”. Às vezes, temos de dar o passo de ‘endireitar’ as coisas com outros que interpretaram mal a nós ou a nossas ações. Por exemplo, os líderes religiosos judaicos se queixavam de que Jesus era bondoso com os “cobradores de impostos e os pecadores”. Jesus explicou-lhes: “As pessoas com saúde não precisam de médico, mas sim os enfermos. Ide, pois, e aprendei o que significa: ‘Misericórdia quero, e não sacrifício.’” (Mat. 9:11-13) Com paciência e bondade ele explicava as palavras de Deus a todos. Assim, os humildes passavam a conhecer a Jeová como “Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade”. (Êxo. 34:6) Correspondendo aos esforços do Filho de Deus de “endireitar as coisas”, muitos passavam a ter fé nas boas novas.

13 O exemplo de Jesus nos ensina como devemos ajudar outros. Uma pessoa aborrecida talvez diga num tom áspero: ‘Preciso resolver um assunto com você!’ Mas 2 Timóteo 3:16 não dá base para abordar o assunto dessa maneira. “Toda a Escritura” não nos autoriza a ser desaforados com alguém. Assim como as “estocadas duma espada”, a dura crítica quase sempre causa muita dor e raramente resulta em algum benefício. — Pro. 12:18.

14-16. (a) Como os anciãos podem “endireitar as coisas” de um modo que ajude outros a resolver seus problemas? (b) Por que “endireitar as coisas” com base nas Escrituras é tão importante na educação dos filhos?

14 Como, então, podemos ser pacientes e bondosos ao “endireitar as coisas”? Suponha que um casal peça ajuda a um ancião cristão para acabar com as suas frequentes discussões. O que o ancião faria? Sem tomar partido, ele poderia raciocinar com o casal a respeito de princípios bíblicos, talvez usando os que se encontram no capítulo 3 do livro O Segredo de Uma Família Feliz. À medida que o ancião conduzisse a conversa, o marido e a esposa talvez percebessem que conselho cada um deveria aplicar mais plenamente. Algum tempo depois, o ancião talvez pudesse perguntar como estão as coisas na família e oferecer mais ajuda, se necessário.

 15 Como os pais podem “endireitar as coisas” de um modo que fortaleça a espiritualidade dos filhos? Digamos que você deseja ajudar sua filha adolescente a evitar uma amizade questionável. Primeiro, você deve verificar os fatos. Daí, se houver motivo para preocupação, poderá falar com ela, talvez usando pontos de Os Jovens Perguntam — Respostas Práticas, Volume 2. Nos dias seguintes, talvez você queira passar algum tempo extra com ela. Poderá também observar seu estado de ânimo quando ela participa no serviço de campo ou na recreação em família. Se você for paciente e bondoso, sua filha sentirá sua preocupação amorosa. Ela provavelmente se sentirá motivada a aplicar seus conselhos e assim evitar uma escolha desastrosa na vida.

Por usarem a Bíblia com bondade para “endireitar as coisas” com relação aos filhos, os pais os ajudam a evitar muito sofrimento (Veja o  parágrafo 15.)

16 Da mesma forma paciente e bondosa, podemos encorajar os que estão preocupados com a saúde, desanimados com a perda do emprego ou confusos a respeito de certos ensinos bíblicos. Usar a Palavra de Deus para “endireitar as coisas” traz grandes benefícios para o povo de Jeová.

‘PROVEITOSA PARA DISCIPLINAR EM JUSTIÇA’

17. Por que devemos aceitar disciplina com gratidão?

17 “Nenhuma disciplina parece no momento ser motivo de alegria, mas sim de pesar.” No entanto, “depois dá fruto pacífico, a saber, a justiça, aos que têm sido treinados por ela”. (Heb. 12:11) A maioria dos cristãos adultos concorda que a disciplina que receberam de seus pais tementes a Deus os ajudou. E aceitar a disciplina que Jeová dá por meio dos anciãos cristãos nos mantêm no caminho da vida. — Pro. 4:13.

18, 19. (a) Por que o conselho em Provérbios 18:13 é tão importante ao “disciplinar em justiça”? (b) Qual muitas vezes é o resultado quando os anciãos tratam os transgressores com brandura e amor?

18 Dar disciplina eficaz é uma arte. Jeová diz que os cristãos devem administrá-la “em justiça”. (2 Tim. 3:16) Portanto, devemos nos orientar por princípios bíblicos. Um desses princípios se encontra em Provérbios 18:13: “Quando alguém replica a um assunto antes de ouvi-lo, é tolice da sua parte e uma humilhação.” Assim, quando os anciãos precisam falar com alguém acusado de grave pecado, eles precisam investigar bem o assunto para obter todos os fatos. (Deut. 13:14) Somente então podem disciplinar “em justiça”.

19 Além disso, a Palavra de Deus instrui os anciãos cristãos a corrigir outros “com brandura”. (Leia 2 Timóteo 2:24-26.) Uma pessoa talvez cause vitupério ao nome de Jeová, bem como dano a pessoas inocentes, é verdade. Ainda assim, um ancião que se irrita ao aconselhar tal pessoa não a ajudará. Porém, quando os anciãos imitam a “qualidade benévola de Deus”, podem mover o errante a se arrepender. — Rom. 2:4.

20. Que princípios os pais devem aplicar ao disciplinar os filhos?

20 Ao criar os filhos “na disciplina e na regulação mental de Jeová”, os pais devem aplicar princípios bíblicos. (Efé. 6:4) O pai não deve punir um filho ouvindo apenas um lado sobre o comportamento dele. E a ira violenta não tem lugar numa família cristã. “Jeová é mui terno em afeição e é misericordioso”, e os que têm a responsabilidade de disciplinar os filhos devem se esforçar em mostrar essas mesmas qualidades amorosas. — Tia. 5:11.

UMA INESTIMÁVEL DÁDIVA DE JEOVÁ

21, 22. Que expressão no Salmo 119:97-104 melhor descreve seu sentimento para com a Palavra de Jeová?

21 Um homem temente a Deus certa vez revelou por que amava a lei de Jeová. (Leia Salmo 119:97-104.) Por estudá-la, ele obteve sabedoria, compreensão e entendimento. Acatar seus conselhos o ajudou a evitar falsos caminhos que causavam sofrimento a outros. Para ele, estudar as Escrituras era agradável e satisfatório. Ele estava decidido a obedecer ao Deus cujas instruções lhe haviam dado tantos benefícios na vida.

22 Você valoriza “toda a Escritura”? Com ela, você edifica sua fé que Deus cumprirá seu propósito. Seus conselhos inspirados o protegem contra os efeitos mortíferos da prática do pecado. E por explicá-la com habilidade você pode ajudar outros a entrar e permanecer no caminho que leva à vida. Façamos pleno uso de “toda a Escritura” ao servirmos ao nosso todo-sábio e amoroso Deus, Jeová.

^ parágrafo 1 Veja Organizados para Fazer a Vontade de Jeová, página 79.

^ parágrafo 7 Ao ensinar, Jesus muitas vezes fazia perguntas do tipo “Que achais?”, e esperava uma resposta. — Mat. 18:12; 21:28; 22:42.

^ parágrafo 10 Nas cartas de Paulo há muito encorajamento sobre como vencer tendências pecaminosas. (Rom. 6:12; Gál. 5:16-18) É razoável concluir que ele mesmo aplicava os conselhos que dava a outros. — Rom. 2:21.