Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Janeiro de 2013

Como servir a Deus sem arrependimento

Como servir a Deus sem arrependimento

“Esquecendo-me das coisas atrás e esticando-me para alcançar as coisas na frente.” — FIL. 3:13.

1-3. (a) De que coisas a pessoa talvez se arrependa, e como isso pode afetá-la? (b) O que podemos aprender de Paulo sobre servir a Deus sem arrependimentos?

CERTO poeta escreveu: “De todas as palavras tristes saídas da língua ou da pena, as mais tristes são: ‘Poderia ter sido diferente!’” Era o poeta John G. Whittier, e ele se referia às coisas das quais nos arrependemos, que gostaríamos de poder fazer de novo e de modo diferente. “Arrependimento” é tristeza ou dor mental que alguém sente por alguma coisa que fez ou deixou de fazer. Todos nós já fizemos coisas que, se pudéssemos voltar atrás, faríamos diferente. Que arrependimentos você tem?

2 Algumas pessoas cometeram erros dolorosos na vida, até mesmo pecados graves. Outras não fizeram algo tão ruim assim, mas se perguntam se algumas de suas decisões na vida foram realmente as melhores. Algumas conseguem superar o passado e ir em frente na vida. Outras se afligem constantemente pensando ‘se eu pudesse voltar atrás’. (Sal. 51:3) Em qual desses casos você se encaixa? Gostaria de servir a Deus sem arrependimentos — pelo menos daqui para a frente? Existe um exemplo da vida real que pode nos ensinar a fazer isso? Com certeza — o do apóstolo Paulo.

3 Paulo cometeu erros terríveis, mas também tomou decisões sábias. Ele se arrependeu muito de seu passado, mas aprendeu também a levar uma vida bem-sucedida no serviço fiel a Deus. Vejamos o que seu exemplo nos ensina sobre servir a Deus sem arrependimentos.

O PASSADO LAMENTÁVEL DE PAULO

4. Que passado lamentável teve o apóstolo Paulo?

4 Como jovem fariseu, Paulo fez coisas de que mais tarde se arrependeu. Por exemplo, ele moveu uma campanha de perseguição cruel contra os discípulos de Cristo. Segundo o registro bíblico, logo depois do martírio de Estêvão, “Saulo [mais tarde conhecido como Paulo] . . . começou a tratar a congregação de modo ultrajante. Invadindo uma casa após outra, e, arrastando para fora tanto homens como mulheres, entregava-os à prisão”. (Atos 8:3) O erudito Albert Barnes disse que o termo grego traduzido ‘tratar de modo ultrajante’ é “uma expressão forte, denotando o zelo e a fúria com que [Saulo] se empenhava na perseguição”. Assim, disse Barnes, “Saulo atacou a igreja como furioso animal selvagem”. Como judeu devoto, ele acreditava que Deus lhe havia confiado o dever de eliminar o cristianismo. Por isso ele perseguia os cristãos com grande crueldade, ‘respirando ameaça e assassínio tanto contra homens como mulheres’, tentando destruí-los. — Atos 9:1, 2; 22:4. *

5. Explique como Saulo deixou de perseguir os seguidores de Jesus e passou a pregar a respeito do Cristo.

5 Saulo havia planejado ir a Damasco, arrancar os discípulos de Jesus de suas casas e arrastá-los a Jerusalém para enfrentar a fúria do Sinédrio. Mas ele fracassou, pois lutava contra o Cabeça da congregação cristã. (Efé. 5:23) Quando Saulo estava a caminho de Damasco, Jesus se revelou a ele, e Saulo foi cegado por uma luz milagrosa. Daí, Jesus o enviou a Damasco onde devia esperar um futuro contato. Sabemos o que aconteceu depois. — Atos 9:3-22.

6, 7. Como sabemos que Paulo estava ciente de seu passado triste?

6 Os valores de Paulo mudaram assim que ele se tornou cristão. Em vez de feroz inimigo, tornou-se um fervoroso defensor do cristianismo. Mesmo assim, tempos depois ele escreveu sobre si mesmo: “Vós, naturalmente, ouvistes falar da minha conduta anterior no judaísmo, que eu perseguia a congregação de Deus e a devastava até o excesso.” (Gál. 1:13) Mais tarde, ele mencionou de novo seu passado lamentável ao escrever aos coríntios, aos filipenses e a Timóteo. (Leia 1 Coríntios 15:9; Fil. 3:6; 1 Tim. 1:13) Paulo não se orgulhava de ter de escrever essas coisas sobre si mesmo, nem tentava agir como se nada disso tivesse acontecido. Ele estava ciente de que havia cometido erros graves. — Atos 26:9-11.

7 O erudito bíblico Frederic W. Farrar comentou a participação de Saulo “na horrível campanha de perseguição”. Comentou também que só quando avaliamos o terrível significado desse triste período da vida de Paulo é que “podemos imaginar o peso do remorso que ele carregava e os insultos que recebia de inimigos malignos”. Ao visitar as várias congregações, alguns irmãos que o viam pela primeira vez talvez lhe dissessem: ‘Então você é Paulo — aquele que nos perseguia!’ — Atos 9:21.

8. O que Paulo achava da misericórdia e do amor que Jeová e Jesus lhe demonstraram, e o que isso nos ensina?

8 Mas Paulo sabia que foi apenas pela benignidade imerecida de Deus que ele podia realizar seu ministério. Ele menciona essa qualidade misericordiosa de Deus umas 90 vezes nas suas 14 cartas — mais do que qualquer outro escritor bíblico. (Leia 1 Coríntios 15:10.) Paulo prezava profundamente a misericórdia com que foi tratado e queria ter certeza de que a benignidade imerecida de Deus não lhe havia sido demonstrada em vão. Por isso, ‘labutou mais’ do que os outros apóstolos. O exemplo de Paulo mostra claramente que, se confessarmos nossos pecados e mudarmos de proceder, Jeová estará disposto a apagar até mesmo pecados graves à base do sacrifício de resgate de Jesus. Que exemplo importante isso é para os que acham difícil crer que os benefícios do sacrifício de Cristo se aplicam no seu caso! (Leia 1 Timóteo 1:15, 16.) Mesmo tendo sido um fanático perseguidor de Cristo, Paulo podia escrever: ‘O Filho de Deus me amou e se entregou por mim.’ (Gál. 2:20; Atos 9:5) Paulo aprendeu o princípio de servir a Deus de um modo que não tivesse mais coisas de que se arrepender. Você também já aprendeu isso?

Paulo aprendeu a servir sem arrependimentos

VOCÊ TEM ALGUM ARREPENDIMENTO?

9, 10. (a) Por que alguns servos de Jeová têm arrependimentos? (b) O que há de mal em sempre se preocupar com o passado?

9 Você já fez coisas das quais se arrepende? Já desperdiçou energia e tempo valiosos em empenhos fúteis? Já fez algo que de alguma forma prejudicou outros? Ou talvez sinta um desagradável arrependimento por alguma outra razão. A pergunta é: o que você pode fazer a respeito disso?

10 Muitos ficam preocupados. Preocupar-se continuamente é se atormentar, se afligir ou ficar aborrecido consigo mesmo. Isso causa grande ansiedade. Será que se preocupar resolve algum problema? De modo algum! Imagine tentar se locomover balançando por horas numa cadeira de balanço, gastando toda energia sem chegar a lugar nenhum. Em vez de se preocupar, tomar medidas práticas pode produzir bons resultados. Talvez você possa pedir desculpas à pessoa a quem prejudicou, possivelmente restabelecendo boas relações. Você pode evitar o que talvez tenha causado o erro, se poupando assim de problemas futuros. Ou talvez tenha de simplesmente conviver com certas situações na vida. Preocupar-se demais, por sua vez, causa nada menos que um efeito paralisante, impedindo a pessoa de servir a Deus plenamente. E a preocupação não traz nenhuma recompensa.

11. (a) Como podemos nos beneficiar da misericórdia e benignidade de Jeová? (b) Qual é a receita divina para adquirir paz mental quanto a nossas falhas do passado?

11 Alguns tendem a ficar tão abatidos por causa de falhas do passado que se sentem indignos aos olhos de Deus. Talvez achem que não merecem a misericórdia de Deus por terem cometido erros graves ou pecado com muita frequência. Mas o fato é que, independentemente do que tenham feito no passado, eles podem se arrepender, mudar de proceder e pedir perdão. (Atos 3:19) Eles podem se beneficiar da misericórdia e benignidade de Jeová, assim como muitos outros se beneficiaram. Jeová tratará com bondade uma pessoa humilde e honesta e aceitará seu arrependimento sincero. Deus fez isso em favor de Jó, que disse: “Deveras me arrependo em pó e cinzas.” (Jó 42:6) Todos nós temos de seguir a receita divina para adquirir paz mental: “Quem encobre as suas transgressões não será bem-sucedido, mas ter-se-á misericórdia com aquele que as confessa e abandona.” (Pro. 28:13; Tia. 5:14-16) Portanto, podemos confessar os nossos erros a Deus, orar pedindo seu perdão e tomar medidas para corrigi-los. (2 Cor. 7:10, 11) Uma vez tendo feito isso, podemos nos beneficiar da misericórdia Daquele que ‘perdoa amplamente’. — Isa. 55:7.

12. (a) O que o exemplo de Davi nos ensina sobre o melhor modo de lidar com uma consciência culpada? (b) Em que sentido Jeová sente arrependimento, e como saber disso nos ajuda? (Veja o quadro.)

12 As orações têm poder. Deus as ouve e as atende. Davi expressou seus sentimentos mais profundos numa oração de fé, belamente preservada nos Salmos. (Leia Salmo 32:1-5.) Davi admitiu que tentar reprimir uma consciência culpada o esgotou. Pelo visto, ele sofreu mental e fisicamente e perdeu a alegria por não ter confessado seus pecados. Como ele conseguiu perdão e alívio? Apenas quando confessou seus pecados. Jeová atendeu as orações de Davi e o fortaleceu para seguir em frente e realizar coisas importantes. Da mesma forma, se você orar com sinceridade, poderá confiar que Jeová ouvirá atentamente suas súplicas. Se você se aflige por causa de erros do passado, faça o possível para corrigi-los e, então, confie na garantia de Jeová de que ele o perdoou. — Sal. 86:5.

CONCENTRE-SE NO FUTURO

13, 14. (a) Qual deve ser a nossa preocupação principal agora? (b) Que perguntas podem nos levar a analisar nossa situação atual na vida?

13 Tem-se dito que a vida só pode ser entendida olhando-se para trás, mas tem de ser vivida olhando-se para frente. Portanto, em vez de nos preocupar com o passado, devemos nos concentrar no presente e no futuro. O que estamos fazendo agora, ou deixando de fazer, que daqui a alguns anos será motivo para nos arrependermos? Estamos demonstrando fidelidade, que evitará qualquer arrependimento no futuro?

14 À medida que a grande tribulação se aproxima, não queremos nos atormentar com ansiedades, tais como: ‘Será que eu poderia ter feito mais no serviço de Deus? Por que não fui pioneiro quando tive a oportunidade? O que me impediu de me esforçar para servir como servo ministerial? Realmente fiz empenhos para me “revestir da nova personalidade”? Sou o tipo de pessoa que Jeová deseja no novo mundo?’ Em vez de apenas remoer essas perguntas preocupantes, queremos usá-las para analisar a nós mesmos. Poderemos assim nos certificar de que estamos dando nosso melhor no serviço de Jeová. Caso contrário, talvez continuemos num modo de vida que pode resultar em ainda mais arrependimentos. — 2 Tim. 2:15.

JAMAIS SE ARREPENDA DE SEU SERVIÇO SAGRADO

15, 16. (a) Que sacrifícios muitos fizeram para dar prioridade ao serviço de Deus? (b) Por que não devemos nos arrepender de qualquer sacrifício que tenhamos feito para colocar os interesses do Reino em primeiro lugar?

15 Que dizer de vocês que se abnegaram para servir a Jeová por tempo integral? Talvez tenham renunciado a uma boa carreira ou a um negócio lucrativo a fim de simplificar a vida e ter mais tempo para os interesses do Reino. Ou talvez tenham decidido não se casar, ou como casados optaram por não ter filhos, com o objetivo de se colocarem à disposição para servir numa modalidade de tempo integral que, de outra forma, não lhe seria possível. Entre essas, o serviço de Betel, de construção internacional, de circuito ou como missionário. Você deve se arrepender dessas decisões agora, depois de muitos anos no serviço de Jeová? Deve achar que os sacrifícios que fez foram desnecessários ou inoportunos? De modo algum!

16 Você tomou essas decisões por causa de seu profundo amor a Jeová e desejo sincero de ajudar outros que queriam servi-lo. Você não tem motivos para pensar que sua situação seria melhor caso tivesse levado uma vida diferente. Pode ter a profunda satisfação de saber que fez o que sabia ser o certo no seu caso e de ter dado seu melhor no serviço a Jeová. Ele não se esquecerá de sua vida abnegada. Na verdadeira vida, no futuro, ele o recompensará com bênçãos muito maiores do que você pode imaginar! — Sal. 145:16; 1 Tim. 6:19.

COMO SERVIR SEM ARREPENDIMENTOS

17, 18. (a) Que princípio ajudou Paulo a servir sem arrependimentos? (b) O que você está decidido a fazer quanto ao seu serviço a Jeová no passado, no presente e no futuro?

17 Que princípio Paulo aprendeu que o ajudou a servir a Deus sem mais arrependimentos? Conforme traduzido na Bíblia na Linguagem de Hoje, Paulo escreveu: “Esqueço aquilo que fica para trás e avanço para o que está na minha frente. Corro direto para a linha de chegada.” (Leia Filipenses 3:13, 14.) Paulo não ficava remoendo o seu proceder errado no judaísmo. Em vez disso, ele concentrava todas as suas energias em se habilitar para o futuro prêmio da vida eterna.

18 Todos nós podemos aplicar o princípio por trás das palavras de Paulo. Em vez de nos afligir por causa do passado e ficar pensando em coisas que não podem ser mudadas, devemos nos ‘esticar para alcançar as coisas à frente’. Talvez não possamos realmente esquecer os erros do passado, mas não precisamos constantemente nos punir por causa deles. Podemos nos esforçar para deixar o passado para trás, servir a Deus da melhor maneira que pudermos agora e nos concentrar na esperança do glorioso futuro.

^ parágrafo 4 O fato de as mulheres serem repetidas vezes mencionadas como alvo da perseguição de Saulo indica que elas tinham uma grande participação na divulgação do cristianismo no primeiro século, assim como hoje. — Sal. 68:11.