Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Setembro de 2017

Destaques dos livros de Joel e Amós

Destaques dos livros de Joel e Amós

 A Palavra de Jeová É Viva

Destaques dos livros de Joel e Amós

A ÚNICA informação que Joel deu sobre si mesmo foi que ele era “filho de Petuel”. (Joel 1:1) Além de sua mensagem, Joel falou tão pouco sobre outros assuntos no livro que leva seu nome que é difícil saber até mesmo a data exata de sua profecia. Calcula-se que tenha sido proferida por volta de 820 AEC, nove anos depois de Uzias ter-se tornado rei de Judá. Por que Joel falou tão pouco sobre si mesmo? O motivo provável foi que ele queria enfatizar a mensagem e não o mensageiro.

Também, nos dias de Uzias, um “boieiro [boiadeiro] e riscador de figos de sicômoros” chamado Amós, que morava em Judá, foi designado para ser profeta. (Amós 7:14) Diferentemente de Joel, que profetizava em Judá, Amós foi enviado ao norte, ao reino de Israel de dez tribos. O livro de Amós foi concluído depois que o profeta voltou a Judá, por volta de 804 AEC, e foi escrito numa linguagem simples, porém expressiva.

“AI DO DIA” — POR QUÊ?

(Joel 1:1-3:21)

Em visão, Joel viu a invasão da lagarta, do gafanhoto e da barata. Os invasores foram chamados de “povo numeroso e poderoso” e de “homens poderosos”. (Joel 1:4; 2:2-7) “Ai do dia”, suspirou Joel, “porque está próximo o dia de Jeová, e ele virá como assolação da parte do Todo-poderoso!”. (Joel 1:15) Jeová aconselhou os habitantes de Sião: “Retornai a mim de todo o vosso coração.” Se fizessem isso, Jeová se ‘compadeceria de seu povo’ e afastaria o “nortenho” — o ataque de insetos. Mas, antes que seu grande dia chegasse, Jeová ‘derramaria seu espírito sobre todo tipo de carne’ e ‘daria portentos nos céus e na terra’. — Joel 2:12, 18-20, 28-31.

As nações foram desafiadas: ‘Forjem espadas de suas relhas de arado e lanças de suas podadeiras’ e preparem-se para a guerra! Receberam a ordem de ‘subir à baixada de Jeosafá’, onde seriam julgadas e destruídas. ‘Mas, no que se referia a Judá, seria habitada por tempo indefinido.’ — Joel 3:10, 12, 20.

Perguntas bíblicas respondidas:

1:15; 2:1, 11, 31; 3:14 — O que é “o dia de Jeová”? É o tempo para ele executar julgamento sobre seus inimigos, resultando na destruição deles e na salvação dos verdadeiros adoradores. Por exemplo, um dia como esse sobreveio à antiga Babilônia, em 539 AEC, quando foi conquistada pelos medos e persas. (Isaías 13:1, 6) Outro “dia de Jeová” se aproxima, quando ele executará seu julgamento contra “Babilônia, a Grande” — o império mundial da religião falsa. — Revelação (Apocalipse) 18:1-4, 21.

2:1-10, 28 — Como se cumpre a profecia sobre a invasão dos insetos? Não existe na Bíblia nenhum registro de insetos invadirem a terra de Canaã em escala tão grande quanto a mencionada no livro de Joel. Portanto, parece que o ataque descrito por Joel era simbólico. Referia-se à ocasião em que, em 33 EC, Jeová derramou seu espírito sobre os primeiros seguidores de Cristo, e eles começaram a pregar a mensagem que incomodou muito os líderes religiosos falsos. (Atos 2:1, 14-21; 5:27-33) É um privilégio podermos participar hoje numa obra similar.

2:32 — O que significa “invocar o nome de Jeová”? Invocar o nome de Deus significa conhecer esse nome, ter profundo respeito por ele e confiar na pessoa que tem esse nome. — Romanos 10:13, 14.

3:14 — O que é a “baixada da decisão”? É um lugar simbólico para a execução do julgamento de Deus. Nos dias do rei judeu Jeosafá, cujo nome significa “Jeová É Juiz”, Deus salvou Judá das nações vizinhas por confundir suas forças militares. É por isso que o lugar é também chamado de “baixada de Jeosafá”. (Joel 3:2, 12) Em nossos dias, essa baixada representa o local simbólico onde as nações serão esmagadas como uvas num lagar. — Revelação 19:15.

Lições para nós:

1:13, 14. É essencial para a salvação a pessoa arrepender-se sinceramente e reconhecer a Jeová como o verdadeiro Deus.

2:12, 13. O verdadeiro arrependimento precisa ser sincero. Envolve ‘rasgar os corações’, ou seja, arrepender-se no íntimo, e não apenas ‘rasgar as vestes’, ou só dar aparência de arrependimento.

2:28-32. Apenas “aquele que invocar o nome de Jeová será salvo” no “grande e atemorizante dia de Jeová”. Somos muito gratos por Jeová derramar seu espírito sobre todo tipo de carne e permitir que jovens e idosos, homens e mulheres participem na obra de profetizar, ou seja, declarem “as coisas magníficas de Deus”! (Atos 2:11) Ao se aproximar o dia de Jeová, não devemos ser ricos em “atos santos de conduta e em ações de devoção piedosa”? — 2 Pedro 3:10-12.

3:4-8, 19. Joel profetizou que as nações vizinhas de Judá prestariam contas por maltratarem o povo escolhido de Deus. Em cumprimento fiel dessas palavras proféticas, a cidade continental de Tiro foi reduzida a ruínas por Nabucodonosor, rei de Babilônia. Mais tarde, quando a cidade-ilha caiu diante de Alexandre, o Grande, milhares de soldados e pessoas de destaque morreram, e 30 mil habitantes foram vendidos como escravos. Os filisteus receberam o mesmo tratamento por parte de Alexandre e seus sucessores. Por volta do quarto século AEC, Edom já estava desolada. (Malaquias 1:3) O cumprimento dessas profecias fortalece nossa fé em Jeová como o Cumpridor de suas promessas. Elas também mostram como Jeová vai lidar com as nações que hoje perseguem seus adoradores.

3:16-21. “Hão de tremer céu e terra”, e as nações sofrerão o julgamento desfavorável de Jeová. “Mas Jeová será refúgio para o seu povo”, dando-lhe vida em condições paradísicas. Não devemos estar firmemente decididos a permanecer achegados a Jeová à medida que se aproxima seu dia de executar o julgamento contra este mundo mau?

“APRONTA-TE PARA TE ENCONTRARES COM O TEU DEUS”

(Amós 1:1-9:15)

Amós tinha uma mensagem para as nações ao redor de Israel e para Judá e Israel. A Síria, a Filístia, Tiro, Edom e Moabe sofreriam destruição por tratarem cruelmente o povo de Deus. Os habitantes de Judá seriam destruídos por ‘rejeitarem a lei de Jeová’. (Amós 2:4) E quanto ao reino de Israel, de dez tribos? Seus pecados incluíam opressão gananciosa dos pobres, imoralidade e desrespeito para com os profetas de Deus. Amós avisou que Jeová iria “ajustar contas com os altares de Betel” e “golpear a casa de inverno em adição à casa de verão”. — Amós 3:14, 15.

Os israelitas idólatras já haviam sido punidos várias vezes, mas continuavam obstinados. Amós lhes disse: “Apronta-te para te encontrares com o teu Deus.” (Amós 4:12) Para eles, o dia de Jeová significava que ‘iriam para o exílio além de Damasco’, ou seja, para a Assíria. (Amós 5:27) Amós enfrentou oposição de um sacerdote de Betel, mas continuou destemido. Jeová disse a Amós: “Chegou o fim para o meu povo Israel. Não mais os desculparei.” (Amós 8:2) Nem o Seol nem os montes elevados poderiam protegê-los dos julgamentos de Deus. (Amós 9:2, 3) Mas havia uma promessa de restauração. “Vou recolher os cativos do meu povo Israel”, disse Jeová, “e eles realmente construirão as cidades desoladas e habitarão nelas, e plantarão vinhedos e beberão o vinho deles, e plantarão jardins e comerão o fruto deles”. — Amós 9:14.

Perguntas bíblicas respondidas:

4:1 — A quem as “vacas de Basã” representavam? O planalto de Basã, uma região ao leste do mar da Galiléia, era conhecido por suas excelentes raças de animais, inclusive vacas. Os pastos férteis da região contribuíam para isso. Amós comparou as mulheres de Samaria que amavam o luxo às vacas de Basã. Aquelas mulheres sem dúvida pressionavam ‘seus amos’, ou maridos, a defraudar os humildes, a fim de poderem satisfazer seu desejo de riquezas.

4:6 — O que significava a expressão “limpeza de dentes”? Usada com a expressão “carência de pão”, pode ser que se referia a uma época de fome, quando os dentes permanecem limpos por causa da falta de alimento.

5:5 — De que maneira Israel não devia ‘buscar Betel’? Jeroboão havia instituído a adoração do bezerro em Betel. Depois disso, aquela cidade se tornou centro da adoração falsa. Gilgal e Berseba também devem ter sido locais de adoração apóstata. Para escapar da predita calamidade, Israel precisava parar de fazer peregrinações a esses lugares e começar a buscar a Jeová.

7:1 — O que era a “grama cortada do rei”? Provavelmente se tratava do imposto cobrado pelo rei para a manutenção de seus cavaleiros e animais. Esse imposto tinha de ser pago “no início da subida da sementeira serôdia”, ou seja, quando brotava a segunda safra. Só depois as pessoas podiam colher suas próprias safras. Mas, antes de conseguirem fazer isso, um enxame de gafanhotos se formou e devorou sua colheita e outras vegetações.

8:1, 2 — O que significava o “cesto de frutas de verão”? Significava que o dia de Jeová estava próximo. As frutas de verão são apanhadas perto do fim da época da colheita, ou seja, perto do fim do ano agrícola. Quando Jeová fez Amós ver “um cesto de frutas de verão”, significava que o fim de Israel se aproximava. Por isso, Deus disse a Amós: “Chegou o fim para o meu povo Israel. Não mais os desculparei.”

Lições para nós:

1:3, 6, 9, 11, 13; 2:1, 4, 6. Foi a respeito de sua ira contra Israel, Judá e as seis nações vizinhas que Jeová disse: “Não o farei voltar atrás.” É impossível escapar dos julgamentos de Jeová. — Amós 9:2-5.

2:12. Não devemos desanimar zelosos pioneiros, superintendentes viajantes, missionários e membros da família de Betel por induzi-los a desistir do serviço de tempo integral para levarem a chamada vida normal. Ao contrário, devemos incentivá-los a continuar seu bom trabalho.

3:8. Assim como uma pessoa fica com medo ao ouvir o rugido de um leão, Amós sentiu-se movido a pregar quando ouviu Jeová dizer: “Vai, profetiza ao meu povo.” (Amós 7:15) O temor a Deus deve nos motivar a pregar a mensagem do Reino com zelo.

3:13-15; 5:11. Com a ajuda de Jeová, o humilde boieiro Amós conseguiu ‘dar testemunho’ a pessoas que, por serem muito ricas, eram desinteressadas. Da mesma forma, Jeová pode nos equipar para declararmos a mensagem do Reino, por mais desafiador que possa ser o território.

4:6-11; 5:4, 6, 14. Apesar de os israelitas repetidamente falharem em ‘retornar’ a Jeová, foram fortemente incentivados a ‘buscar a Jeová e continuar vivendo’. Enquanto Jeová pacientemente permitir que este sistema mau continue, devemos incentivar as pessoas a buscar a Deus.

5:18, 19. É tolice ‘almejar o dia de Jeová’ sem realmente estar preparado para ele. A pessoa nessa situação é como alguém que, ao fugir de um leão, encontra um urso e depois foge deste para no fim ser mordido por uma serpente. Somos sábios por nos ‘mantermos despertos’ em sentido espiritual e por permanecermos em estado de prontidão. — Lucas 21:36.

7:12-17. Devemos ser corajosos e destemidos ao declararmos a mensagem de Deus.

9:7-10. O fato de serem descendentes dos patriarcas fiéis e daqueles que foram libertados do Egito como povo escolhido de Deus não impediu que Jeová desaprovasse os israelitas infiéis. Sua infidelidade colocou-os na mesma situação dos cusitas. Ganhar a aprovação do Deus imparcial não depende de antecedentes familiares, mas de ‘temer a ele e fazer a justiça’. — Atos 10:34, 35.

O que devemos fazer

O dia da execução do julgamento divino sobre o mundo de Satanás está próximo. Deus derrama espírito santo sobre seus adoradores, equipando-os para avisarem a humanidade da proximidade do Seu dia. Não devemos participar plenamente em ajudar outros a conhecer a Jeová e a ‘invocar o seu nome’? — Joel 2:31, 32.

“Odiai o que é mau”, aconselhou Amós, “e amai o que é bom, e dai à justiça um lugar no portão”. (Amós 5:15) À medida que se aproxima o dia de Jeová, é sábio nos achegarmos a Ele e nos mantermos separados deste mundo mau e de suas companhias corrompedoras. Com isso em mente, podemos aprender lições muito oportunas dos livros bíblicos de Joel e Amós. — Hebreus 4:12.

[Foto na página 12]

Joel profetizou: ‘Está próximo o dia de Jeová!’

[Fotos na página 15]

Assim como Amós, devemos ser proclamadores corajosos e destemidos da mensagem de Deus