Pular para conteúdo

Pular para sumário

Você está fazendo de Jeová o seu refúgio?

Você está fazendo de Jeová o seu refúgio?

“Jeová resgata a vida dos seus servos; ninguém que se refugia nele será condenado.” — SAL. 34:22.

CÂNTICOS: 49, 65

1. Como muitos servos fiéis de Deus se sentem por causa da imperfeição?

O APÓSTOLO Paulo disse: “Homem miserável que eu sou!” (Rom. 7:24) Muitos servos fiéis de Deus já se sentiram assim. Por quê? Por causa da imperfeição. Muitas vezes fazemos coisas que desagradam a Jeová, e isso nos deixa arrasados. Alguns cristãos que cometeram um pecado grave chegam a sentir que não merecem o perdão de Deus.

2. (a) Como o texto de Salmo 34:22 ajuda quem está com sentimentos de culpa? (b) O que vamos aprender neste estudo? (Veja também o quadro “ O foco deste estudo”.)

2 A Bíblia deixa claro que quem procura refúgio em Jeová não precisa ficar com sentimentos de culpa por um erro que cometeu. (Leia Salmo 34:22.) Mas o que significa procurar refúgio em Jeová? O que é preciso fazer para ter o perdão e a misericórdia de Jeová? Podemos encontrar as respostas estudando sobre as cidades de refúgio do antigo Israel. O arranjo das cidades de refúgio fazia parte do pacto da Lei, que foi substituído no Pentecostes do ano 33. A iniciativa de criar as cidades de refúgio veio do próprio Jeová. Por isso, quando estudamos sobre essas cidades, aprendemos mais sobre como Jeová encara o pecado, a pessoa que peca e o arrependimento. Antes de tudo, vamos ver para que serviam as cidades de refúgio.

“ESCOLHAM PARA VOCÊS CIDADES DE REFÚGIO”

3. O que acontecia quando um israelita matava alguém de propósito?

3 Jeová levava a sério todos os casos de assassinato que ocorriam em Israel. Quem matava alguém de propósito devia morrer. O responsável por executar o assassino era o “vingador do sangue”, que era o parente mais próximo da pessoa que tinha sido assassinada. (Núm. 35:19) Assim, o assassino pagava com a própria vida pelo sangue inocente que tinha derramado. Essa lei ajudava a manter a pureza da Terra Prometida. Jeová disse: “Não profanem a terra em que vocês vivem, pois o sangue [de uma pessoa assassinada] profana a terra.” — Núm. 35:33, 34.

4. O que acontecia quando alguém matava uma pessoa sem querer?

4 Mas o que acontecia quando alguém matava uma pessoa sem querer? Mesmo que fosse por acidente, uma pessoa que matava outra era culpada de derramar sangue inocente. (Gên. 9:5) Mas existia uma provisão muito bondosa para proteger quem passava por isso. A pessoa podia fugir do vingador de sangue e ir para uma das seis cidades de refúgio. Ela tinha que ficar lá até a morte do sumo sacerdote. — Núm. 35:15, 28.

5. Por que aprender sobre as cidades de refúgio nos ajuda a conhecer melhor a Jeová?

5 A criação das cidades de refúgio não era uma ideia humana. O próprio Jeová falou para Josué: “Diga aos israelitas: ‘Escolham para vocês cidades de refúgio.’” Essas cidades eram ‘consagradas’, ou seja, elas se tornavam sagradas. (Jos. 20:1, 2, 7, 8) Já que o próprio Jeová estava envolvido na criação das cidades de refúgio, aprender sobre elas nos ajuda a conhecê-lo melhor. Então, vamos ver o que as cidades de refúgio nos ensinam sobre a misericórdia de Jeová e como nós podemos nos refugiar em Jeová hoje.

‘ELE DEVE EXPOR O SEU CASO AOS ANCIÃOS’

6, 7. (a) O que os anciãos faziam quando uma pessoa matava outra sem querer? (Veja o desenho no começo do estudo.) (b) Por que era importante buscar a ajuda dos anciãos?

6 Quando uma pessoa matava outra sem querer, ela tinha que apresentar “seu caso diante dos anciãos” no portão de uma das cidades de refúgio. Eles tinham que receber bem a pessoa. (Jos. 20:4) Um tempo depois, ela era levada até os anciãos da cidade onde tinha acontecido o assassinato. Os anciãos daquela cidade julgavam o caso. (Núm. 35:24, 25) A pessoa só voltava para a cidade de refúgio depois que os anciãos dissessem que o assassinato tinha sido um acidente.

7 A ajuda dos anciãos era muito importante para manter o povo de Israel puro. Quando a pessoa que matava alguém sem querer buscava essa ajuda, ela sentia a misericórdia de Jeová. Um estudioso da Bíblia disse que, se a pessoa não buscasse os anciãos, isso “era por sua própria conta e risco”. Ele escreveu: “Se ela ignorasse essa provisão de Deus, o sangue dela estaria sobre sua própria cabeça.” Então, existia uma ajuda para quem matasse alguém sem querer, mas a pessoa tinha que buscar e aceitar essa ajuda. Se ela não fugisse para uma das cidades de refúgio, o vingador de sangue tinha o direito de matá-la.

8, 9. Por que um cristão que cometeu um pecado grave deve buscar a ajuda dos anciãos?

8 Da mesma forma, um cristão que comete um pecado grave hoje precisa buscar a ajuda dos anciãos na congregação. Por que isso é tão importante? Primeiro, porque foi Jeová quem decidiu usar os anciãos para cuidar dos casos de pecados graves. (Tia. 5:14-16) Segundo, os anciãos ajudam os pecadores arrependidos a não fazer do erro uma prática e a receber o perdão de Jeová. (Gál. 6:1; Heb. 12:11) Terceiro, os anciãos são treinados para ajudar os pecadores arrependidos a ver que Jeová ainda os ama, o que diminui o sofrimento e o sentimento de culpa. Jeová diz que os anciãos são como um “refúgio contra o temporal”. (Isa. 32:1, 2, nota) Ao ver o modo como Jeová usa os anciãos, não concorda que ele é um Deus muito misericordioso?

9 Muitos servos de Jeová viram que buscar a ajuda dos anciãos realmente traz alívio. Veja o exemplo de um irmão chamado Daniel. Ele cometeu um pecado grave e, por alguns meses, ficou com receio de falar sobre isso com os anciãos. Ele diz: “Depois de um tempo, eu achei que não havia mais nada que os anciãos pudessem fazer pra me ajudar. Mas eu sabia que, mais cedo ou mais tarde, eu ia enfrentar as consequências dos meus erros. Toda vez que eu orava, antes de dizer qualquer coisa, eu sentia que precisava pedir perdão.” Daí, Daniel decidiu pedir ajuda. Ele diz: “Eu ficava com medo de falar com os anciãos. Mas, depois que falei com eles, foi como se alguém tivesse tirado um peso enorme das minhas costas. Agora eu sinto que não tem nada atrapalhando a minha amizade com Jeová.” Daniel conseguiu ficar com a consciência limpa e, há pouco tempo, se tornou servo ministerial.

“ELE DEVE FUGIR PARA UMA DESSAS CIDADES”

10. Para ter a misericórdia de Deus, o que a pessoa que matava alguém sem querer tinha que fazer?

10 Para ter a misericórdia de Deus, uma pessoa que matava alguém sem querer não podia ficar de braços cruzados. Ela tinha que fugir para a cidade de refúgio o mais rápido possível. (Jos. 20:4.) A vida dela dependia disso. Ir para uma cidade de refúgio envolvia fazer alguns sacrifícios. A pessoa tinha que deixar para trás seu emprego e os confortos da sua casa. Ela não podia sair da cidade de refúgio até a morte do sumo sacerdote. * (Núm. 35:25) Mas esses sacrifícios valiam a pena. Se a pessoa saísse da cidade de refúgio, ela colocava em risco a própria vida. E ela ainda mostrava que tirar a vida de alguém não era nada de mais para ela.

11. O que um cristão precisa fazer para ter a misericórdia de Deus?

11 Assim como no passado, os pecadores arrependidos precisam agir para ter a misericórdia de Deus. É preciso abandonar totalmente o pecado. Isso significa fugir não só de um erro grave, mas também de erros menores que costumam levar a um pecado sério. Jeová inspirou o apóstolo Paulo a escrever sobre como alguns cristãos arrependidos agiram. Ele disse: ‘Sua tristeza segundo a vontade de Deus fez com que vocês se reabilitassem, que ficassem indignados, que tivessem temor, desejo sincero e zelo, que corrigissem o erro!’ (2 Cor. 7:10, 11) Quando fazemos de tudo para abandonar um pecado, mostramos a Jeová que não estamos acomodados no erro. Mostramos também que entendemos a importância de agir para ter a misericórdia dele.

12. Que sacrifícios um cristão talvez precise fazer para ter a misericórdia de Deus?

12 Para continuar tendo a misericórdia de Deus, um cristão talvez precise fazer sacrifícios. Ele deve estar preparado para abrir mão até de coisas que gosta muito, mas que poderiam levá-lo a pecar. (Mat. 18:8, 9) Por exemplo, talvez alguns amigos incentivem você a fazer coisas que desagradam a Jeová. Será que você está disposto a abrir mão da amizade com eles? Pode ser também que você esteja se esforçando para não exagerar nas bebidas alcoólicas. Nesse caso, será que você evita situações em que fica tentado a beber demais? E se você está lutando contra desejos imorais, será que evita filmes, sites ou outras coisas que podem despertar pensamentos errados? Lembre-se: vale a pena fazer qualquer sacrifício para continuar leal a Jeová. Nada dói mais do que se sentir abandonado por ele. E o contrário também é verdade: nada dá mais felicidade do que sentir o “eterno amor leal” de Jeová. — Isa. 54:7, 8.

“ELAS SERVIRÃO DE REFÚGIO PARA VOCÊS”

13. Por que a pessoa que ia para a cidade de refúgio podia ser feliz e se sentir segura?

13 Depois que chegava à cidade de refúgio, a pessoa podia se sentir segura. Jeová disse sobre essas cidades: “Elas servirão de refúgio para vocês.” (Jos. 20:2, 3) Jeová não exigia que o fugitivo fosse julgado de novo pelo mesmo caso. Além disso, ele não precisava ficar com medo. Afinal, o vingador de sangue não podia entrar na cidade e matá-lo. Enquanto estivesse na cidade, o fugitivo tinha a proteção de Jeová. E a cidade de refúgio não era uma prisão. Pelo contrário, era possível ter uma vida feliz lá. A pessoa podia trabalhar, ajudar outros e servir a Jeová em paz.

Confie no perdão de Jeová (Veja os parágrafos 14-16.)

14. Que confiança um cristão arrependido pode ter?

14 Alguns irmãos cometeram um pecado grave e depois se arrependeram. Mesmo assim, pode ser que ainda se sintam esmagados pela culpa. Outros talvez pensem que Jeová sempre vai olhar para eles e ver a mancha do pecado que cometeram. Já se sentiu assim? Se já, lembre-se da misericórdia de Jeová. Depois de ter o perdão de Jeová, você não precisa mais se sentir culpado. Daniel, já mencionado, viu que isso é verdade. Ele disse: “Agora eu consigo respirar aliviado. Depois que o assunto foi resolvido com os anciãos, fiquei com a consciência tranquila. Eu sei que, quando Jeová perdoa, ele esquece. Ele pega os nossos pecados e leva para longe. Daí, não precisamos mais nos sentir culpados pelos nossos erros.” Na cidade de refúgio, o fugitivo não vivia com medo, como se o vingador de sangue fosse chegar a qualquer momento. Do mesmo modo, depois que Jeová perdoa os nossos pecados, não precisamos ficar com medo de ele se lembrar dos nossos erros e nos julgar novamente. — Sal. 103:8-10. Leia Salmo 103:12.

15, 16. O que o nosso Sumo Sacerdote e Resgatador Jesus faz por nós?

15 Os israelitas confiavam que Jeová é um Deus misericordioso. Com a ajuda do sumo sacerdote, eles podiam receber o perdão de Jeová. Nós temos motivos ainda maiores para confiar na misericórdia de Deus. Afinal, nosso Sumo Sacerdote é Jesus e, por meio dele, podemos “receber misericórdia e achar bondade imerecida para nos ajudar no tempo certo”. (Heb. 4:15, 16) Jesus “é capaz também de salvar completamente os que se aproximam de Deus por meio dele, porque está sempre vivo para interceder por eles”. (Heb. 7:24, 25) Como nosso Resgatador, Jesus nos ajuda a ter uma consciência limpa e a nos sentir em paz. (Heb. 9:13, 14) Depois de Paulo dizer que se sentia miserável por não conseguir obedecer a Deus de modo perfeito, ele falou: “Dou graças a Deus, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor!” (Rom. 7:25) Paulo tinha feito muitas coisas erradas, mas se arrependeu. E ele confiava que, por meio do sacrifício de Jesus, tinha recebido o perdão de Deus.

16 Para que Jeová seja o seu refúgio, você precisa ter fé no sacrifício de Jesus. Mas não basta ver o resgate apenas como uma maneira de Jeová salvar a humanidade. Em vez disso, tenha fé de que o resgate é o meio de Jeová salvar você. (Gál. 2:20, 21) É a base para o perdão dos seus pecados. O resgate dá a você a esperança de vida eterna. Lembre-se: o sacrifício de Jesus é um presente de Jeová para você!

17. Por que você quer se refugiar em Jeová?

17 As cidades de refúgio são um bom exemplo da misericórdia de Jeová. Por meio delas, Jeová mostrou que considera a vida como sagrada. Essas cidades também nos ensinam como os anciãos nos ajudam, o que está envolvido em se arrepender e por que podemos confiar no perdão de Jeová. Você está fazendo de Jeová o seu refúgio? Nada pode nos fazer sentir mais seguros do que isso. (Sal. 91:1, 2) No próximo estudo, vamos ver como as cidades de refúgio podem nos ajudar a imitar a Jeová, o melhor exemplo de justiça e de misericórdia.

^ parágrafo 10 De acordo com a Encyclopaedia Judaica, parece que a família imediata da pessoa que matava alguém sem querer também ia morar na cidade de refúgio.