Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO CINCO

“Uma mulher de bem”

“Uma mulher de bem”

1, 2. (a) Que tipo de trabalho Rute estava fazendo? (b) Rute ficou sabendo de que aspectos positivos sobre a Lei de Deus e seu povo?

RUTE se ajoelhou perto da pilha de cevada que ajuntou durante o dia. A noite caía nos campos ao redor de Belém, e muitos trabalhadores já se dirigiam ao portão da pequena cidade situada no topo de uma serra ali perto. Rute estava com os músculos doloridos depois de um longo dia de trabalho, que tinha começado bem cedo. Ainda assim, ela continuou trabalhando, batendo nas hastes com uma pequena vara para soltar os grãos. Apesar de tudo, o dia tinha sido bom — muito melhor do que ela esperava.

2 Será que as coisas finalmente melhorariam para essa jovem viúva? Como vimos no capítulo anterior, ela tinha se apegado a Noemi, sua sogra, jurando que ficaria com ela e que se tornaria adoradora de Jeová, o Deus de Noemi. As duas viúvas tinham saído de Moabe e ido para Belém, e Rute, que era moabita, logo ficou sabendo que a Lei de Jeová fazia provisões práticas e dignas para os pobres em Israel, incluindo os estrangeiros. Agora ela podia observar alguns dos servos de Jeová, que seguiam a Lei e eram treinados por ela, agirem de um modo que revelava espiritualidade e bondade. Isso tocou seu coração tão sofrido.

3, 4. (a) Como Boaz encorajou Rute? (b) Como o exemplo de Rute pode nos ajudar nesta época de grandes dificuldades econômicas?

3 Um desses servos foi Boaz, um homem rico, de mais idade. Era nos campos dele que Rute respigava. Naquele dia, ele havia reparado em Rute e sentido um carinho paternal por ela. Com certeza, ela ficou contente no seu íntimo ao pensar nas palavras bondosas dele, elogiando-a por cuidar da idosa Noemi e por buscar proteção sob as asas do Deus verdadeiro, Jeová. — Leia Rute 2:11-14.

4 Mesmo assim, Rute talvez se preocupasse com seu futuro. Visto que era estrangeira, pobre e não tinha marido nem filhos, como ela sustentaria a si mesma e à sua sogra nos anos à frente? Será que respigar seria suficiente? E quem cuidaria dela quando envelhecesse? Seria natural que ela se preocupasse com isso. Muitos têm ansiedades similares nesta época de grandes dificuldades econômicas. Ao analisarmos como a fé de Rute a ajudou a enfrentar esses desafios, veremos muitas coisas que podemos imitar.

O que é uma família?

5, 6. (a) O que Rute conseguiu no primeiro dia de respiga no campo de Boaz? (b) Qual foi a reação de Noemi ao ver Rute?

5 Quando acabou de bater os grãos e ajuntá-los, Rute viu que havia respigado aproximadamente 1 efa de cevada, ou 22 litros. Pode ser que sua carga pesasse uns 14 quilos. Rute talvez tenha embrulhado tudo num pano, colocado sobre a cabeça e partido para Belém ao anoitecer. — Rute 2:17.

6 Noemi ficou feliz de ver sua querida nora e talvez tenha ficado surpresa ao notar a pesada carga de cevada que Rute trazia. Visto que Rute também havia trazido sobras dos alimentos que Boaz tinha providenciado para os trabalhadores, as duas tomaram uma refeição simples. Noemi perguntou: “Onde respigaste hoje e onde trabalhaste? Torne-se bendito aquele que reparou em ti.” (Rute 2:19) Noemi estava atenta — a grande quantidade de provisões que Rute havia conseguido mostrava que alguém tinha reparado na jovem viúva e a tinha tratado com bondade.

7, 8. (a) Noemi encarou a bondade de Boaz como vinda de quem, e por quê? (b) De que outro modo Rute demonstrou amor leal à sua sogra?

7 As duas começaram a conversar, e Rute disse a Noemi como Boaz tinha sido bondoso. Comovida, Noemi exclamou: “Bendito seja ele por Jeová que não abandonou a sua benevolência para com os vivos e os mortos.” (Rute 2:20) Ela encarou a bondade de Boaz como vinda de Jeová, que move seus servos a ser generosos e promete recompensá-los por sua bondade. * — Leia Provérbios 19:17.

8 Noemi incentivou Rute a aceitar a oferta de Boaz de continuar respigando em seus campos e de ficar perto das moças da casa dele, para não ser importunada pelos ceifeiros. Rute aceitou esse conselho. Ela também continuou a ‘morar com a sua sogra’. (Rute 2:22, 23) Vemos aqui de novo a qualidade mais notável de Rute — o amor leal. Seu exemplo pode nos fazer refletir: será que prezamos nossos laços familiares, apoiando lealmente as pessoas que amamos e ajudando-as quando necessário? Esse amor leal nunca passa despercebido de Jeová.

O exemplo de Rute e Noemi nos motiva a dar valor à nossa família

9. O que o exemplo de Rute e Noemi nos ensina sobre a família?

9 Será que podemos dizer que Rute e Noemi formavam uma família? Para alguns, uma família só é considerada família no pleno sentido quando todos os papéis são preenchidos — marido, esposa, filhos, avós e assim por diante. Mas o exemplo de Rute e Noemi mostra que até mesmo duas pessoas podem ser consideradas uma família se demonstrarem carinho, bondade e amor entre si. Seja qual for o seu caso, você dá valor à sua família? Jesus lembrou a seus seguidores que a congregação cristã pode se tornar uma família para quem não tem nenhuma. — Mar. 10:29, 30.

Rute e Noemi ajudaram e animaram uma à outra

“Ele é um dos nossos resgatadores”

10. De que maneira Noemi queria ajudar Rute?

10 Rute continuou a respigar nos campos de Boaz desde a colheita da cevada, em abril, até a colheita do trigo, em junho. À medida que as semanas passavam, Noemi sem dúvida pensava cada vez mais no que poderia fazer por sua nora. Quando ainda estavam em Moabe, Noemi achava que jamais poderia ajudar Rute a encontrar outro marido. (Rute 1:11-13) Mas agora começava a pensar de outra forma. Ela disse a Rute: “Minha filha, não devia eu procurar-te um lugar de descanso?” (Rute 3:1) Naquele tempo, era costume os pais procurarem um cônjuge para os filhos, e Rute de fato havia se tornado como uma filha para Noemi. Ela queria achar “um lugar de descanso” para Rute — referindo-se à segurança e proteção que um lar e um marido proporcionariam. Mas o que Noemi poderia fazer?

11, 12. (a) Quando Noemi disse que Boaz era um “resgatador”, a que provisão da Lei de Deus ela se referia? (b) Qual foi a reação de Rute ao conselho de sua sogra?

11 Quando Rute falou de Boaz pela primeira vez, Noemi disse: “O homem é aparentado conosco. Ele é um dos nossos resgatadores.” (Rute 2:20) O que isso significava? A Lei de Deus para Israel incluía provisões amorosas para as famílias que passassem por dificuldades devido a pobreza ou luto. Se uma mulher ficasse viúva sem ter filhos, ela se sentiria ainda mais aflita porque isso impediria que a descendência e o nome de seu marido continuassem nas gerações futuras. Mas a Lei de Deus permitia que o irmão do marido se casasse com a viúva. Assim ela poderia dar à luz um herdeiro que desse continuidade ao nome do falecido e cuidasse dos bens da família. * — Deut. 25:5-7.

12 Noemi pensou num plano e contou a Rute. Podemos imaginar o olhar surpreso de Rute ao passo que sua sogra falava. A Lei de Israel ainda era algo novo para Rute, e muitos dos costumes eram um pouco estranhos para ela. No entanto, sua consideração por Noemi era tão grande que ela ouviu atentamente cada palavra. O que Noemi aconselhou Rute a fazer talvez tenha parecido estranho ou embaraçoso, até mesmo humilhante, mas ela escutou o conselho e humildemente disse: “Farei tudo o que me disseres.” — Rute 3:5.

13. O que o exemplo de Rute nos ensina sobre aceitar conselhos dos mais velhos? (Veja também Jó 12:12.)

13 Às vezes é difícil para os jovens ouvir os conselhos dos mais velhos e experientes. É fácil achar que os mais velhos não conseguem realmente entender os problemas e desafios que os jovens enfrentam. O exemplo de humildade de Rute nos lembra que ouvir a sabedoria de pessoas mais velhas que nos amam e querem o nosso melhor pode ser muito recompensador. (Leia Salmo 71:17, 18.) Mas qual foi o conselho de Noemi, e será que Rute foi mesmo recompensada por aplicá-lo?

Rute na eira

14. O que era uma eira, e o que se fazia ali?

14 Naquele dia, ao anoitecer, Rute foi até a eira — uma área plana de terra batida onde os lavradores levavam os grãos para ser debulhados e joeirados. Normalmente, se escolhia um lugar numa encosta ou no alto de uma colina, onde as brisas eram mais fortes no fim da tarde e começo da noite. Para separar os grãos do restolho e da palha, usavam-se grandes forquilhas ou pás. A mistura era lançada para o alto de modo que o vento levava embora a palha, que era mais leve, e os grãos caíam no chão.

15, 16. (a) Descreva o que aconteceu depois que Boaz terminou o trabalho. (b) Como Boaz descobriu que Rute estava deitada aos seus pés?

15 Rute ficou observando discretamente à medida que o serviço era concluído. Boaz supervisionou o trabalho de joeirar os grãos, que eram amontoados em grande quantidade. Depois de uma boa refeição, ele se deitou perto do monte de cereal. Pelo visto, naquela época era costume fazer isso, talvez para proteger a preciosa colheita contra ladrões ou saqueadores. Rute viu Boaz se deitar; era o momento de pôr o plano de Noemi em ação.

16 Com o coração acelerado, Rute se aproximou lentamente. Dava para ver que Boaz estava num sono profundo. Assim, conforme Noemi tinha dito, ela descobriu os pés dele e se deitou ali perto. Depois aguardou. O tempo foi passando, mas para Rute deve ter parecido uma eternidade. Por fim, perto da meia-noite, Boaz começou a se mexer. Tremendo de frio, ele se esticou para cobrir os pés. Então, percebeu que havia alguém ali. Conforme o relato diz, “havia uma mulher deitada aos seus pés!” — Rute 3:8.

17. De que dois detalhes se esquecem os que dão a entender que havia algo impróprio nas ações de Rute?

17 “Quem és tu?”, perguntou ele. Rute respondeu, talvez com a voz trêmula: “Sou Rute, tua escrava, e tens de estender a tua aba sobre a tua escrava, visto que és resgatador.” (Rute 3:9) Alguns comentaristas bíblicos dão a entender que as ações e as palavras de Rute tinham certa conotação sexual. Mas eles se esquecem de dois detalhes. Primeiro, Rute estava agindo de acordo com os costumes da época, muitos dos quais se perderam no tempo. Assim, seria um erro comparar as ações dela com os baixos padrões morais de nossos dias. Segundo, Boaz respondeu de uma maneira que deixa claro que ele encarava a conduta de Rute moralmente casta e muito elogiável.

A motivação de Rute ao procurar Boaz era pura e altruísta

18. O que Boaz disse para acalmar Rute, e a que duas expressões da benevolência dela ele se referia?

18 Sem dúvida, o tom gentil e suave de Boaz acalmou Rute. Ele disse: “Que Jeová te abençoe, minha filha. Expressaste a tua benevolência melhor no último caso do que no primeiro, não indo atrás dos jovens, quer o de condição humilde, quer o rico.” (Rute 3:10) A expressão “no primeiro [caso]” referia-se ao amor leal de Rute em acompanhar Noemi de volta para Israel e cuidar dela. Já a expressão “no último caso” tinha a ver com o que estava acontecendo naquela ocasião. Boaz notou que uma jovem mulher como Rute poderia facilmente ter procurado um marido entre os homens bem mais novos, quer fossem ricos, quer pobres. Em vez disso, ela procurou o bem não só de Noemi, mas também do marido falecido de Noemi, por dar continuidade ao nome da família na terra dele. Não é difícil ver por que Boaz ficou tão impressionado com o altruísmo dessa jovem mulher.

19, 20. (a) Por que Boaz não quis se casar com Rute imediatamente? (b) De que maneiras Boaz foi bondoso e sensível com Rute e mostrou que se preocupava com a reputação dela?

19 Boaz continuou: “E agora, minha filha, não tenhas medo. Farei para ti tudo o que disseres, pois todos no portão do meu povo se apercebem de que és uma mulher de bem.” (Rute 3:11) Ele gostou da ideia de se casar com Rute; talvez até certo ponto esperasse que ela pedisse que ele fosse o resgatador dela. Mas Boaz era um homem correto e não queria fazer as coisas simplesmente segundo suas preferências. Ele disse a Rute que havia outro resgatador, um parente mais próximo da família do marido falecido de Noemi. Boaz falaria primeiro com esse homem para lhe dar a oportunidade de se tornar marido de Rute.

Por tratar outros com bondade e respeito, Rute conquistou uma excelente reputação

20 Boaz sugeriu que Rute se deitasse de novo e descansasse até pouco antes do amanhecer; então ela poderia ir embora discretamente. Ele queria proteger tanto a reputação dela como a dele, visto que as pessoas poderiam pensar que algo imoral havia acontecido. Rute se deitou de novo aos pés de Boaz, talvez agora mais tranquila após ouvir uma resposta tão bondosa ao seu pedido. Depois, enquanto ainda estava escuro, ela se levantou. Boaz encheu a manta de Rute com uma porção generosa de cevada, e ela voltou a Belém. — Leia Rute 3:13-15.

21. O que fez com que Rute fosse conhecida como “uma mulher de bem”, e como podemos imitar seu exemplo?

21 Deve ter sido muito bom para Rute pensar no que Boaz tinha dito — que ela era “uma mulher de bem”. Sem dúvida, essa reputação se devia em boa parte à vontade que ela tinha de conhecer a Jeová e servi-lo. Ela também havia mostrado grande bondade e sensibilidade com Noemi e seu povo, por estar disposta a adaptar-se a costumes que para ela certamente eram desconhecidos. Se imitarmos a fé de Rute, nos esforçaremos em respeitar as pessoas e seus costumes. Assim, também poderemos criar uma excelente reputação.

Um lugar de descanso para Rute

22, 23. (a) O que talvez significasse a porção que Boaz deu a Rute? (Veja também a nota.) (b) Que conselho Noemi deu a Rute?

22 “Quem és, minha filha?”, perguntou Noemi quando Rute chegou. Ela talvez tenha perguntado isso porque estava escuro. Mas Noemi também queria saber se Rute ainda estava na mesma situação de viúva descompromissada ou se agora havia a possibilidade de um casamento. Rute logo contou a Noemi sobre sua conversa com Boaz. Também mostrou a porção generosa que Boaz tinha lhe pedido para entregar a Noemi. * — Rute 3:16, 17.

23 Noemi sabiamente aconselhou Rute a ficar em casa em vez de sair para respigar nos campos. Ela garantiu a Rute: “O homem não terá sossego a menos que leve o assunto ainda hoje a término.” — Rute 3:18.

24, 25. (a) Como Boaz mostrou que era um homem correto e altruísta? (b) De que maneiras Rute foi abençoada?

24 Noemi tinha razão. Boaz foi ao portão da cidade, onde os anciãos costumavam se reunir, e esperou que aquele parente mais próximo passasse. Perante testemunhas, Boaz lhe deu a oportunidade de atuar como resgatador por se casar com Rute. Mas o homem recusou, alegando que isso prejudicaria sua própria herança. Assim, perante as testemunhas no portão da cidade, Boaz declarou que agiria como resgatador, comprando tudo que pertencia a Elimeleque, marido de Noemi, e casando-se com Rute, viúva de Malom, filho de Elimeleque. Boaz disse que com isso ele esperava ‘fazer que se levantasse o nome do morto sobre a sua herança’. (Rute 4:1-10) Boaz era mesmo um homem correto e altruísta.

25 Boaz se casou com Rute. Então o relato diz: “Jeová concedeu-lhe conceber e ela deu à luz um filho.” As mulheres de Belém abençoaram Noemi e elogiaram Rute. Disseram que ela era para Noemi “melhor do que sete filhos”. O relato mostra que o filho de Rute se tornou ancestral do grande Rei Davi. (Rute 4:11-22) Davi, por sua vez, foi ancestral de Jesus Cristo. — Mat. 1:1. *

Jeová abençoou Rute com o privilégio de ser ancestral do Messias

26. O exemplo de Rute e Noemi nos lembra de quê?

26 Rute realmente foi abençoada, assim como Noemi, que ajudou a cuidar da criança como se fosse seu filho. A vida dessas duas mulheres é um belo lembrete de que Jeová Deus nota o esforço de quem trabalha de modo humilde para cuidar de sua família e o serve lealmente com seu povo escolhido. Jeová sempre recompensa pessoas fiéis como Boaz, Noemi e Rute.

^ parágrafo 7 Conforme observado por Noemi, a bondade de Jeová não se limita aos vivos; ela se estende até mesmo aos mortos. Noemi tinha perdido o marido e os dois filhos. Rute havia perdido o marido. Com certeza, elas amavam muito esses homens. Qualquer bondade mostrada a Rute e Noemi era, na verdade, mostrada aos homens que com certeza teriam desejado que essas mulheres queridas fossem bem cuidadas.

^ parágrafo 11 Pelo visto, assim como o direito à herança, o direito de se casar com a viúva cabia primeiro aos irmãos do falecido e depois ao parente mais próximo. — Núm. 27:5-11.

^ parágrafo 22 Boaz deu a Rute seis medidas de um peso não especificado — talvez para sugerir que, assim como seis dias de trabalho eram seguidos de um descanso sabático, os difíceis dias de Rute como viúva em breve seriam seguidos pelo “descanso” que um lar e um marido proporcionariam. Ou é possível que as seis medidas — talvez pás cheias — fossem tudo o que Rute conseguia levar.

^ parágrafo 25 Rute é uma das cinco mulheres que a Bíblia alista na linhagem de Jesus. Outra mulher foi Raabe, mãe de Boaz. (Mat. 1:3, 5, 6, 16) Assim como Rute, ela não era israelita.