OS JOVENS PERGUNTAM

Como posso superar uma tragédia?

Como posso superar uma tragédia?

Todo mundo está sujeito a enfrentar uma tragédia. “Os velozes nem sempre vencem a corrida, e nem sempre os fortes vencem a batalha”, diz a Bíblia. “O imprevisto sobrevêm a todos eles.” (Eclesiastes 9:11) Até mesmo os jovens podem passar por uma situação bem difícil. Como alguns jovens lidaram com isso? Veja dois exemplos.

 REBEKAH

Meus pais se divorciaram quando eu tinha 14 anos.

Eu ficava dizendo a mim mesma que o divórcio dos meus pais não estava acontecendo, que meu pai só precisava de um tempo para colocar a cabeça no lugar. Afinal, ele amava a minha mãe. Então por que ele iria abandoná-la? Por que ele iria me abandonar?

Eu não conseguia conversar com ninguém sobre o que estava acontecendo. Tentava apagar isso da mente. Na época eu nem notava, mas o que eu sentia era raiva. Comecei a me sentir muito ansiosa e não conseguia dormir.

Quando eu tinha 19 anos, minha mãe perdeu a luta contra o câncer. Ela era minha melhor amiga.

O divórcio dos meus pais foi difícil, mas a morte da minha mãe foi muito pior. Ainda acho que não superei. Agora dormir está ainda mais difícil e eu ainda me sinto muito ansiosa.

Mas eu descobri algumas coisas que estão me ajudando muito. Por exemplo, Provérbios 18:1 diz que a gente não deve se isolar. Eu estou tentando seguir esse conselho.

Como eu sou Testemunha de Jeová, eu tento ler nossas publicações baseadas na Bíblia, porque são muito animadoras. Uma que me ajudou bastante na época em que meus pais se divorciaram foi o livro Os Jovens Perguntam — Respostas Práticas. Eu gostava muito do capítulo “Posso ser feliz vivendo apenas com um dos meus pais?”, que está no Volume 2 desse livro.

Um dos textos da Bíblia que eu mais gosto e que me ajuda a lidar com a minha ansiedade é Mateus 6:25-34. No versículo 27, Jesus perguntou: “Quem de vocês, por estar ansioso, pode acrescentar um só côvado * à duração da sua vida?”

Coisas ruins vão acontecer com todos nós, mas o exemplo da minha mãe me ensinou uma coisa: o que realmente importa é como lidamos com essas situações. Minha mãe passou por muita coisa — primeiro um divórcio e depois uma doença terminal. Mas, apesar disso, ela sempre manteve uma atitude positiva e teve fé em Deus até o final. Nunca vou me esquecer de tudo o que ela me ensinou sobre Jeová.

Para você pensar: Como ler a Bíblia e publicações baseadas na Bíblia pode ajudar você a superar uma tragédia? — Salmo 94:19.

 CORDELL

Quando eu tinha 17 anos, vi meu pai morrer na minha frente. Perdê-lo foi a pior coisa que aconteceu na minha vida. Fiquei arrasado.

Eu não acreditava que meu pai tinha morrido; que era o corpo dele ali, sendo coberto por aquele lençol. Eu pensava: ‘Amanhã ele acorda de novo.’ Eu me sentia vazio, me sentia perdido.

Eu e minha família somos Testemunhas de Jeová, e a nossa congregação deu muito apoio pra gente quando meu pai morreu. Eles traziam comida, faziam companhia pra gente e ficaram do nosso lado o tempo todo — não apenas no começo, mas por muito tempo. Para mim, o apoio da congregação foi uma prova de que as Testemunhas de Jeová são cristãos de verdade. — João 13:35.

Um texto que me encorajou muito foi 2 Coríntios 4:17, 18. Ele diz: “Embora o sofrimento seja momentâneo e leve, produz para nós uma glória de grandeza extraordinária, uma glória eterna, ao passo que fixamos os olhos não nas coisas vistas, mas nas coisas não vistas. Porque as coisas vistas são temporárias, mas as coisas não vistas são eternas.”

O último versículo foi o que mais mexeu comigo. O sofrimento do meu pai foi temporário, mas o que Deus promete para o futuro é eterno. A morte do meu pai me fez pensar no que eu estava fazendo da minha vida e me fez reavaliar meus objetivos.

Para você pensar: Como lidar com uma tragédia pode ajudar você a reavaliar seus objetivos na vida? — 1 João 2:17.

^ parágrafo 14 Um côvado é uma unidade de medida que equivale a aproximadamente 45 centímetros.