Vocês se tornarão “um reino de sacerdotes”

Vocês se tornarão “um reino de sacerdotes”

“Vós . . . vos tornareis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa.” — ÊXO. 19:6.

1, 2. Que proteção era necessário dar ao descendente da mulher, e por quê?

A PRIMEIRA profecia registrada na Bíblia tem grande importância na realização do propósito de Jeová. Quando fez a promessa edênica, o Deus verdadeiro declarou: “Porei inimizade entre ti [Satanás] e a mulher, e entre o teu descendente e o seu descendente.” Qual seria o grau dessa inimizade? Jeová disse que o descendente da mulher ‘machucaria a cabeça’ de Satanás, ao passo que o Diabo ‘machucaria o calcanhar’ do descendente da mulher. (Gên. 3:15) A inimizade entre a serpente e a mulher seria tão intensa que Satanás faria de tudo para destruir o descendente dela.

2 Não é de admirar que o salmista tenha clamado em oração a Deus sobre Seu povo escolhido: “Eis que os próprios inimigos teus estão em alvoroço; e os mesmos que te odeiam intensamente levantaram a cabeça. Realizam astutamente sua palestra confidencial contra o teu povo; e conspiram contra os teus escondidos. Disseram: ‘Vinde e eliminemo-los de ser uma nação.’” (Sal. 83:2-4) Era necessário proteger a linhagem do descendente da mulher para que ela não fosse exterminada nem contaminada. Para isso, Jeová fez outros acordos legais que garantiriam a realização de seu propósito.

UM PACTO QUE PROTEGE O DESCENDENTE

3, 4. (a) Quando o pacto da Lei entrou em vigor, e o que a nação de Israel concordou em fazer? (b) O pacto da Lei foi feito para impedir o quê?

3 Quando os descendentes de Abraão, de Isaque e de Jacó chegaram aos milhões, Jeová fez deles uma nação: o Israel antigo. Por meio de Moisés, Jeová fez um incomparável pacto nacional com eles por lhes dar a Lei, e a nação de Israel concordou com os termos desse pacto. A Bíblia diz: “[Moisés] tomou o livro do pacto e o leu aos ouvidos do povo. Disseram então: ‘Tudo o que Jeová falou estamos dispostos a fazer e a ser obedientes.’ Portanto, Moisés tomou o sangue [dos novilhos sacrificados] e aspergiu com ele o povo, e disse: ‘Eis o sangue do pacto que Jeová concluiu convosco com respeito a todas estas palavras.’” — Êxo. 24:3-8.

4 O pacto da Lei entrou em vigor no monte Sinai em 1513 AEC. Por meio desse pacto, o Israel antigo foi colocado à parte como a nação escolhida de Deus. Jeová passou então a ser seu “Juiz”, seu “Legislador” e seu “Rei”. (Isa. 33:22) A história de Israel mostra o que acontece quando os justos padrões de Deus são respeitados e quando são ignorados. A Lei havia sido criada para impedir que a linhagem de Abraão fosse contaminada; prova disso era que ela proibia o casamento com pessoas pagãs e a participação na adoração falsa. — Êxo. 20:4-6; 34:12-16.

5. (a) O pacto da Lei deu que oportunidade a Israel? (b) Por que Deus rejeitou Israel?

5 Sob o pacto da Lei, também funcionava o sacerdócio, que prefigurava uma provisão maior no futuro. (Heb. 7:11; 10:1) Por meio desse pacto, Israel tinha a oportunidade e o privilégio únicos de se tornar “um reino de sacerdotes”, desde que cumprissem o requisito de obedecer às leis de Jeová. (Leia Êxodo 19:5, 6.) Mas Israel falhou em cumprir esse requisito. Em vez de dar importância à chegada do Messias — a parte principal do descendente de Abraão —, a nação o rejeitou. Em resultado, Deus rejeitou aquela nação.

A desobediência de Israel não quis dizer que o pacto da Lei havia falhado (Veja os parágrafos 3-6.)

6. Qual era o objetivo da Lei?

6 Por não permanecer fiel a Jeová, Israel não pôde fornecer todos os que fariam parte de um reino de sacerdotes. No entanto, isso não queria dizer que a Lei havia falhado. O objetivo da Lei era proteger o descendente e conduzir os humanos ao Messias. Esse objetivo foi cumprido quando o Cristo veio e foi identificado. “Cristo é o fim da Lei”, diz a Bíblia. (Rom. 10:4) Mas fica a pergunta: quem teria então a oportunidade de compor um reino de sacerdotes? Jeová Deus providenciou outro acordo legal para formar uma nova nação.

SURGE UMA NOVA NAÇÃO

7. O que Jeová predisse por meio de Jeremias?

7 Bem antes de o pacto da Lei deixar de vigorar, Jeová predisse por meio do profeta Jeremias que Ele faria “um novo pacto” com a nação de Israel. (Leia Jeremias 31:31-33.) Esse pacto seria diferente do pacto da Lei no sentido de que não seria mais necessário sacrificar animais para se obter o perdão de pecados. Como esse pacto tornaria isso possível?

8, 9. (a) O que o sangue derramado de Jesus tornou possível? (b) Que oportunidade foi dada aos incluídos no novo pacto? (Veja a gravura no início do artigo.)

8 Séculos mais tarde Jesus instituiu a Refeição Noturna do Senhor, em 14 de nisã de 33 EC. Referindo-se ao copo de vinho, ele disse aos seus 11 apóstolos fiéis: “Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue, que há de ser derramado em vosso benefício.” (Luc. 22:20) Segundo o relato de Mateus, Jesus disse sobre o vinho: “Isto significa meu ‘sangue do pacto’, que há de ser derramado em benefício de muitos, para o perdão de pecados.” — Mat. 26:27, 28.

9 O sangue derramado de Jesus valida o novo pacto. Esse sangue também possibilita o perdão de pecados de uma vez por todas. Jesus não é uma das partes do novo pacto. Por não ter pecado, ele não precisa de perdão. Mas Deus podia aplicar o valor do sangue derramado de Jesus aos descendentes de Adão. Ele também podia adotar alguns humanos fiéis “como filhos” por ungi-los com espírito santo. (Leia Romanos 8:14-17.) Por serem encarados por Deus como sem pecado, eles seriam em certo sentido como Jesus, o perfeito Filho de Deus. Esses ungidos se tornariam “co-herdeiros de Cristo” e teriam a oportunidade de se tornar “um reino de sacerdotes”, privilégio perdido pela nação de Israel, que estava sob a Lei. A respeito dos “co-herdeiros de Cristo”, o apóstolo Pedro declarou: “Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz.” (1 Ped. 2:9) Como o novo pacto é vital! Ele possibilita que discípulos de Jesus se tornem a parte secundária do descendente de Abraão.

O NOVO PACTO ENTRA EM VIGOR

10. Quando o novo pacto entrou em vigor, e por que não podia ser antes disso?

10 Quando o novo pacto entrou em vigor? Não foi quando Jesus o mencionou em sua última noite na Terra. Para que ele passasse a vigorar, o sangue de Jesus tinha de ser derramado e seu valor tinha de ser apresentado a Jeová no céu. Além disso, o espírito santo precisava ser derramado sobre os que seriam “co-herdeiros de Cristo”. Assim, o novo pacto entrou em vigor no Pentecostes de 33 EC, quando os leais discípulos de Jesus foram ungidos com espírito santo.

11. De que maneira o novo pacto tornou possível que judeus e gentios fizessem parte do Israel espiritual, e quantos estariam incluídos nele?

11 É verdade que o antigo pacto da Lei em certo sentido se tornou “obsoleto” quando Jeová informou por meio de Jeremias que Ele concluiria um novo pacto com Israel. Mas o antigo pacto só perdeu sua validade quando o novo pacto entrou em vigor. (Heb. 8:13) A partir de então, Deus podia encarar tanto judeus como gentios incircuncisos da mesma forma, visto que “sua circuncisão é a do coração, por espírito, e não por um código escrito”. (Rom. 2:29) Por concluir o novo pacto com eles, Deus colocaria Suas leis ‘na mente deles e as escreveria nos seus corações’. (Heb. 8:10) O número total dos incluídos no novo pacto seria de 144 mil, formando uma nova nação — “o Israel de Deus”, ou o Israel espiritual. — Gál. 6:16; Rev. 14:1, 4.

12. Que paralelos existem entre o pacto da Lei e o novo pacto?

12 Que paralelos existem entre o pacto da Lei e o novo pacto? O pacto da Lei era entre Jeová e o Israel natural; o novo pacto é entre Jeová e o Israel espiritual. Moisés foi o mediador do antigo pacto; Jesus é o Mediador do novo. O pacto da Lei foi validado pelo sangue de animais; o novo pacto foi validado pelo sangue derramado de Jesus. E a nação de Israel estava organizada por meio do pacto da Lei sob Moisés; os que estão incluídos no novo pacto estão organizados sob Jesus — o Cabeça da congregação. — Efé. 1:22.

13, 14. (a) Como o novo pacto está relacionado ao Reino? (b) O que é necessário para que o Israel espiritual governe com Cristo no céu?

13 O novo pacto está relacionado ao Reino no sentido de que produz uma nação santa cujos membros têm o privilégio de se tornar reis e sacerdotes nesse Reino celestial. Essa nação constitui a parte secundária do descendente de Abraão. (Gál. 3:29) O novo pacto reforça assim o pacto abraâmico.

14 Existe ainda outro aspecto do Reino que precisa ser considerado. O novo pacto produz o Israel espiritual e fornece a base para que seus membros se tornem “co-herdeiros de Cristo”. Mas é necessário haver um acordo legal que lhes permita participar com Jesus em seu Reino como reis e sacerdotes no céu.

UM PACTO QUE PERMITE QUE OUTROS GOVERNEM COM CRISTO

15. Que pacto Jesus fez pessoalmente com seus apóstolos fiéis?

15 Depois de instituir a Refeição Noturna do Senhor, Jesus fez um pacto com seus discípulos fiéis, geralmente chamado de pacto do Reino. (Leia Lucas 22:28-30.) Diferentemente dos outros pactos, nos quais Jeová é uma das partes, este é um pacto que Jesus fez pessoalmente com seus seguidores ungidos. Quando disse “assim como meu Pai fez comigo um pacto”, Jesus pelo visto estava se referindo ao pacto que Jeová havia feito com ele para ser um “sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque”. — Heb. 5:5, 6.

16. O que o pacto do Reino torna possível para os cristãos ungidos?

16 Os 11 apóstolos fiéis haviam ‘ficado com Jesus nas suas provações’. O pacto do Reino lhes garantia que eles estariam com ele no céu e se sentariam em tronos para governar como reis e servir como sacerdotes. Mas aqueles 11 apóstolos não seriam os únicos que teriam esse privilégio. O glorificado Jesus apareceu ao apóstolo João numa visão e disse: “Àquele que vencer, concederei assentar-se comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com o meu Pai no seu trono.” (Rev. 3:21) Portanto, o pacto do Reino é feito com os 144 mil cristãos ungidos. (Rev. 5:9, 10; 7:4) Esse é o pacto que forma uma base legal para que eles governem com Jesus no céu. Isso pode ser comparado a uma noiva que se casa com um rei que já está governando e, assim, passa a compartilhar de sua autoridade para governar. De fato, as Escrituras se referem aos cristãos ungidos como “a noiva” de Cristo, uma “virgem casta” prometida em casamento ao Cristo. — Rev. 19:7, 8; 21:9; 2 Cor. 11:2.

TENHA FÉ INABALÁVEL NO REINO DE DEUS

17, 18. (a) Faça um breve resumo dos seis pactos relacionados ao Reino que consideramos. (b) Por que podemos ter fé inabalável no Reino?

17 Todos os pactos que consideramos nestes dois artigos estão relacionados a um ou mais aspectos vitais do Reino. (Veja o quadro “Como Deus realizará seu propósito”, no artigo anterior.) Isso destaca que aspectos importantes do Reino estão firmemente baseados em acordos legais. Por isso, temos bons motivos para confiar totalmente no Reino messiânico como o meio que Deus está usando para fazer com que seu propósito original para a Terra e a humanidade se cumpra. — Rev. 11:15.

Por meio do Reino messiânico, Jeová fará com que seu propósito para a Terra se torne realidade (Veja os parágrafos 15-18.)

18 Pode haver alguma dúvida de que as realizações do Reino trarão bênçãos eternas para a humanidade? Podemos proclamar com absoluta confiança que o Reino de Deus é a única solução permanente para todos os problemas da humanidade. Que façamos isso com zelo! — Mat. 24:14.