Tenha fé inabalável no Reino

Tenha fé inabalável no Reino

“A fé é a expectativa certa de coisas esperadas.” — HEB. 11:1.

1, 2. (a) O que fortalecerá nossa convicção de que o Reino realizará o propósito de Deus para a humanidade? (b) De acordo com Efésios 2:12, como os pactos nos fortalecem? (Veja a gravura no início do artigo.)

COMO Testemunhas de Jeová, costumamos dizer que o Reino de Deus é a única solução para todos os nossos problemas, e com entusiasmo dirigimos a atenção das pessoas para essa importante verdade bíblica. Também encontramos bastante consolo na esperança que o Reino nos dá. Mas até que ponto estamos convencidos de que o Reino é uma realidade que alcançará seu objetivo? Que base há para termos uma fé inabalável no Reino? — Heb. 11:1.

2 O Reino messiânico é o meio estabelecido pelo próprio Todo-Poderoso para realizar seu propósito referente à sua criação. O Reino tem como base um alicerce inabalável: o direito absoluto de Jeová governar. Aspectos importantes do Reino — seu rei, aqueles que reinarão com ele, o território que eles governarão — foram todos legalmente estabelecidos por meio de pactos, isto é, contratos ou acordos legais nos quais uma das partes envolvidas é Deus ou seu Filho, Jesus Cristo. Refletir nesses pactos aumentará nossa compreensão de que o propósito de Deus se cumprirá com certeza e nos ajudará a ver como o Reino messiânico é estável. — Leia Efésios 2:12.

3. O que analisaremos neste artigo e no próximo?

3 A Bíblia faz referência a seis pactos principais que estão relacionados ao Reino messiânico nas mãos de Cristo Jesus. São eles: (1) o pacto abraâmico, (2) o pacto da Lei, (3) o pacto davídico, (4) o pacto para um sacerdote como Melquisedeque, (5) o novo pacto e (6) o pacto do Reino. Analisemos como cada pacto está relacionado ao Reino e como eles contribuem para a realização do propósito de Deus para a Terra e a humanidade. — Veja o quadro “ Como Deus realizará seu propósito”.

UMA PROMESSA REVELA COMO O PROPÓSITO DE DEUS SERÁ CUMPRIDO

4. Conforme declarado em Gênesis, que decretos Jeová pronunciou relacionados aos humanos?

4 Depois de preparar nosso belo planeta para ser habitado pelos humanos, Jeová pronunciou três decretos relacionados às criaturas humanas: nosso Deus criaria a humanidade à sua imagem; os humanos deveriam estender o Paraíso por toda a Terra e povoá-la com sua descendência justa; e os humanos foram proibidos de comer da árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau. (Gên. 1:26, 28; 2:16, 17) Não havia necessidade de mais nada. Após a criação do homem, relacionada ao primeiro decreto, tudo o que se precisava para que o propósito de Deus se realizasse era a observância dos outros dois decretos. Como então surgiu a necessidade de haver pactos?

5, 6. (a) Como Satanás tentou frustrar o propósito de Deus? (b) Como Jeová reagiu ao desafio de Satanás no Éden?

5 Numa tentativa maligna de frustrar o propósito de Deus, Satanás, o Diabo, instigou uma rebelião. Ele fez isso por voltar sua atenção para o decreto que era mais fácil de ele influenciar: o decreto que exigia obediência da parte do homem. Ele tentou a primeira mulher, Eva, a desobedecer a ordem que envolvia a árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau. (Gên. 3:1-5; Rev. 12:9) Ao fazer isso, Satanás desafiou o direito de Deus governar Sua criação. Mais tarde, Satanás também acusou os servos leais de Deus de servi-lo por motivos egoístas. — Jó 1:9-11; 2:4, 5.

6 Como Jeová reagiria ao desafio de Satanás no Éden? Destruir os rebeldes com certeza poria um fim à sua rebelião. Mas também significaria que não se cumpriria o propósito expresso de Deus de ter a Terra inteira habitada por descendentes obedientes de Adão e Eva. Por isso, em vez de executar os rebeldes imediatamente, nosso sábio Criador pronunciou uma profecia de longo alcance — a promessa edênica — para garantir que cada detalhe de sua palavra se cumprisse. — Leia Gênesis 3:15.

7. Que garantia a promessa edênica nos dá com respeito à serpente e ao seu descendente?

7 Por meio da promessa edênica, Jeová pronunciou seu julgamento contra a serpente e o descendente dela, que representam Satanás, o Diabo, e todos os que tomariam o seu lado na questão do direito de Deus governar. O Deus verdadeiro deu ao descendente de sua mulher celestial a autoridade para destruir Satanás. Assim, a promessa edênica enfatizava que o instigador da rebelião no Éden e todas as consequências de sua ação seriam eliminados. Também identificava o meio usado para realizar isso.

8. O que sabemos sobre a identidade da mulher e de seu descendente?

8 Quem seria o descendente da mulher? Ele teria de ser uma pessoa espiritual, porque foi predito que esse descendente esmagaria a cabeça da serpente, isto é, ‘reduziria a nada’ a criatura espiritual Satanás, o Diabo. (Heb. 2:14) Assim, a mulher que daria à luz o descendente também seria de natureza espiritual. Ao passo que o descendente da serpente aumentou em número, a identidade da mulher e do seu descendente ficou em segredo por quase 4 mil anos depois que Jeová fez a promessa edênica. Durante esse tempo, Jeová fez alguns pactos que identificam o descendente da mulher e garantem aos Seus servos que esse descendente é o meio pelo qual Deus reverterá os estragos que Satanás causou à família humana.

UM PACTO IDENTIFICA O DESCENDENTE

9. O que é o pacto abraâmico, e quando entrou em vigor?

9 Uns dois mil anos após a sentença proferida contra Satanás, Jeová ordenou que o patriarca Abraão deixasse seu lar em Ur, na Mesopotâmia, e fosse para a terra de Canaã. (Atos 7:2, 3) Jeová disse a ele: “Sai da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que te mostrarei; e farei de ti uma grande nação e te abençoarei, e hei de engrandecer o teu nome; e mostra-te uma bênção. E hei de abençoar os que te abençoarem e amaldiçoarei aquele que invocar o mal sobre ti, e todas as famílias do solo certamente abençoarão a si mesmas por meio de ti.” (Gên. 12:1-3) Essa é a primeira menção registrada do pacto abraâmico — o pacto que Jeová Deus fez com Abraão. Exatamente quando Jeová fez esse pacto com Abraão, não sabemos. Mas o que sabemos é que ele entrou em vigor em 1943 AEC, quando Abraão, então com 75 anos, deixou Harã e atravessou o rio Eufrates.

10. (a) Como Abraão demonstrou fé inabalável nas promessas de Deus? (b) Que detalhes sobre o descendente da mulher Jeová revelou aos poucos?

10 Jeová reafirmou sua promessa a Abraão várias vezes, sempre acrescentando detalhes. (Gên. 13:15-17; 17:1-8, 16) E quando Abraão demonstrou fé inabalável nas promessas de Deus por se dispor a oferecer seu único filho, Jeová reforçou o pacto com uma promessa incondicional. (Leia Gênesis 22:15-18; Hebreus 11:17, 18.) Depois que o pacto abraâmico entrou em vigor, Jeová aos poucos revelou detalhes importantes sobre o descendente da mulher. O descendente viria da linhagem de Abraão, seria composto por um grande número de pessoas, exerceria uma função de rei, destruiria todos os inimigos e seria uma bênção para muitos.

Abraão mostrou inabalável fé nas promessas de Deus (Veja o parágrafo 10.)

11, 12. Como as Escrituras mostram que o pacto abraâmico tem um cumprimento maior, e o que isso significa para nós?

11 O pacto abraâmico teve um cumprimento literal para os descendentes de Abraão quando eles herdaram a Terra Prometida, mas as Escrituras mostram que os termos desse pacto também têm um cumprimento espiritual. (Gál. 4:22-25) Nesse cumprimento maior, conforme o apóstolo Paulo explicou sob inspiração, a parte principal do descendente de Abraão é Cristo, e a parte secundária se refere aos 144 mil cristãos ungidos por espírito. (Gál. 3:16, 29; Rev. 5:9, 10; 14:1, 4) A mulher que produz o descendente é “a Jerusalém de cima” — a parte celestial da organização de Deus, composta de leais criaturas espirituais. (Gál. 4:26, 31) De acordo com a promessa do pacto abraâmico, o descendente da mulher traria bênçãos à humanidade.

12 O pacto abraâmico aponta para o Rei e seus corregentes no Reino de Deus, e constitui a base legal do Reino dos céus. (Heb. 6:13-18) Por quanto tempo esse pacto continuará em vigor? Segundo Gênesis 17:7, ele é um “pacto por tempo indefinido”. Ele permanecerá em vigor até que o Reino messiânico destrua os inimigos de Deus e todas as famílias da Terra sejam abençoadas. (1 Cor. 15:23-26) Os que viverem então na Terra serão beneficiados eternamente. O pacto de Deus com Abraão mostra que Jeová está decidido a cumprir seu propósito de que humanos justos ‘encham a terra’. — Gên. 1:28.

UM PACTO PARA GARANTIR QUE O REINO DURARÁ

13, 14. O que o pacto davídico garante com respeito ao governo do Messias?

13 A promessa edênica e o pacto abraâmico estabelecem este ponto vital: a soberania de Jeová, conforme expressa por meio do Reino messiânico, é firmemente baseada nos padrões justos de Deus. (Sal. 89:14) Será que o governo messiânico se tornará corrupto e por isso terá de ser eliminado? Há outro pacto legal que garante que isso nunca acontecerá.

14 Considere o que Jeová prometeu ao Rei Davi, do Israel antigo, por meio do pacto davídico. (Leia 2 Samuel 7:12, 16.) Jeová fez esse pacto com Davi quando ele era rei em Jerusalém, prometendo-lhe que o Messias seria seu descendente. (Luc. 1:30-33) Dessa forma, Jeová delimitou ainda mais a linhagem do descendente e determinou que um herdeiro de Davi teria “o direito legal” ao trono do Reino messiânico. (Eze. 21:25-27) Por meio de Jesus, o reinado de Davi ficará “firmemente estabelecido por tempo indefinido”. De fato, o descendente de Davi “mostrará ser por tempo indefinido e seu trono como o sol”. (Sal. 89:34-37) Sim, o governo do Messias nunca se tornará corrupto, e suas realizações durarão para sempre!

UM PACTO SUPRE A NECESSIDADE DE UMA FUNÇÃO DE SACERDOTE

15. Que papel adicional o descendente desempenharia?

15 Ao passo que o pacto abraâmico e o pacto davídico garantem que o descendente da mulher teria uma função de rei, esse papel por si só não seria suficiente para trazer bênçãos às pessoas de todas as nações. Para que fossem plenamente abençoadas, elas precisariam ser libertadas de sua condição pecaminosa e passar a fazer parte da família universal de Jeová. Para que isso se tornasse realidade, o descendente também teria de desempenhar um papel de sacerdote. Nosso sábio Criador providenciou isso por meio de outro acordo legal: o pacto para um sacerdote como Melquisedeque.

16, 17. Por que Jesus foi designado sacerdote “à maneira de Melquisedeque”?

16 Por meio do Rei Davi, Jeová revelou que faria um pacto pessoal com Jesus que teria um objetivo duplo: fazer com que ele ‘se sentasse à direita’ de Deus até que subjugasse seus inimigos e que se tornasse um “sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque”. (Leia Salmo 110:1, 2, 4.) Por que “à maneira de Melquisedeque”? Porque muito antes de qualquer descendente de Abraão herdar a Terra Prometida, Melquisedeque, rei de Salém, serviu como “sacerdote do Deus Altíssimo”. (Heb. 7:1-3) Ele havia sido designado diretamente por Jeová para esse fim. Ele é o único mencionado nas Escrituras Hebraicas que serviu como rei e sacerdote ao mesmo tempo. Além disso, visto que não há nenhum registro de alguém que tenha ocupado uma posição assim antes ou depois de Melquisedeque, ele pode ser chamado de “sacerdote perpetuamente”, ou para sempre.

17 Jesus foi designado diretamente por Deus para ser sacerdote por meio desse pacto pessoal que Jeová fez com ele, e ele será “sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque”. (Heb. 5:4-6) Isso mostra claramente que Jeová se comprometeu legalmente a usar o Reino messiânico para realizar seu propósito original com respeito aos humanos na Terra.

OS PACTOS FORMAM UMA BASE LEGAL PARA O REINO

18, 19. (a) O que os pactos considerados até agora nos ensinam sobre o Reino? (b) Que pergunta será considerada no próximo artigo?

18 Depois de estudarmos os pactos já considerados, podemos ver como eles estão relacionados ao Reino messiânico e como os aspectos desse Reino estão firmemente baseados em acordos legais. A promessa edênica garante que Jeová cumprirá seu propósito com respeito à Terra e à humanidade por meio do descendente da mulher. Quem seria esse descendente, e que papel desempenharia? O pacto abraâmico fornece a estrutura para tudo isso.

19 O pacto davídico delimita ainda mais a linhagem da parte principal do descendente e lhe dá o direito de governar sobre a Terra para que as realizações do Reino sejam eternas. O pacto para um sacerdote como Melquisedeque é a base para que o descendente desempenhe um papel sacerdotal. Mas Jesus não levaria a humanidade à perfeição sozinho. Outros também seriam ungidos para servir como reis e sacerdotes. De onde eles viriam? Isso será considerado no próximo artigo.