Um perigo que preocupa todos os pais

Um perigo que preocupa todos os pais

 Um perigo que preocupa todos os pais

JÉSSICA e Lucas são um casal animado e feliz, que cuida bem de seu filho de três anos, um menino esperto e saudável. * No mundo atual, essa tarefa não é fácil, pois envolve muitas preocupações e responsabilidades. Há tantas coisas que é preciso ensinar às crianças! Jéssica e Lucas sentem o peso de uma responsabilidade específica: a de proteger o filho contra os perigos do abuso sexual. Por quê?

“Meu pai era um alcoólatra insensível e bravo”, diz Jéssica. “Ele me batia muito e molestava tanto a mim como a minhas irmãs.” * A maioria das pessoas concorda que esse tipo de abuso pode deixar profundas cicatrizes emocionais. Não é de admirar que Jéssica esteja decidida a proteger seu filho. Lucas também tem essa determinação.

Muitos pais estão preocupados com a questão do abuso de crianças. Pode ser que você também esteja. Talvez não tenha enfrentado pessoalmente esse tipo de abuso e seus efeitos como no caso de Lucas e Jéssica, mas sem dúvida já ouviu notícias chocantes sobre como essa prática repulsiva é comum. Pais amorosos em todo o mundo ficam horrorizados de saber o que está acontecendo com as crianças em sua região.

Não surpreende que um pesquisador no campo do abuso sexual tenha chamado os índices de abuso infantil de “uma das descobertas mais desalentadoras de nossa época”. Saber isso com certeza nos entristece, mas será que esses acontecimentos devem causar surpresa? Não para quem estuda a Bíblia. A Palavra de Deus explica que vivemos num período cheio de problemas, chamado de “últimos dias”, quando prevalece um comportamento ‘feroz’ e as pessoas são ‘amantes de si mesmas’ e não têm “afeição natural”. — 2 Timóteo 3:⁠1-⁠5.

O abuso sexual é um problema assustador. De fato, alguns pais ficam perplexos quando param para pensar na absoluta maldade daqueles que ficam à procura de crianças para abusar sexualmente delas. Mas será que lidar com esse problema é uma tarefa grande demais para os pais? Ou existem algumas medidas práticas que eles podem tomar para proteger os filhos? Os artigos a seguir abordarão essas perguntas.

[Notas de rodapé]

^ parágrafo 2 Os nomes nesta série de artigos foram mudados.

^ parágrafo 3 O abuso sexual infantil ocorre quando um adulto usa uma criança para satisfazer seus próprios desejos sexuais. Em geral, envolve o que a Bíblia chama de fornicação, ou por·neí·a, que pode incluir carícias nos órgãos genitais, relações sexuais, sexo oral ou anal. Alguns atos abusivos, como acariciar os seios, fazer propostas explicitamente imorais, mostrar pornografia para uma criança ou expor de forma indecente o corpo diante dela, bem como voyeurismo (observar outros às escondidas com objetivos imorais) podem equivaler ao que a Bíblia condena como “conduta desenfreada” ou ‘impureza com ganância’. — Gálatas 5:19-21; Efésios 4:⁠19.

[Quadro]

UM PROBLEMA MUNDIAL

Em 2006, o secretário-geral das Nações Unidas transmitiu à Assembléia Geral da ONU um relatório mundial sobre a violência contra crianças, preparado por um especialista independente para a ONU. De acordo com o relatório, estima-se que, num ano recente, 150 milhões de meninas e 73 milhões de meninos abaixo de 18 anos foram “forçados a manter relações sexuais ou sofreram outras formas de violência sexual”. Esses números são surpreendentes, mas o relatório declara: “Sem dúvida, esse cálculo é subestimado.” Uma análise cuidadosa de pesquisas feitas em 21 países indicou que, em certos lugares, até 36% das mulheres e 29% dos homens haviam sido vítimas de alguma forma de abuso sexual na infância. A maioria dos que cometeram o abuso eram parentes da criança.