ESTUDO 13

Mostre empatia ao fazer discípulos

Mostre empatia ao fazer discípulos

‘Ele teve pena deles e começou a lhes ensinar muitas coisas.’ — MAR. 6:34.

CÂNTICO 70 Procurem os merecedores

O QUE VAMOS VER *

1. Qual é uma das qualidades mais tocantes de Jesus? Dê um exemplo de como ele a demonstrou.

UMA das qualidades mais tocantes de Jesus é a habilidade que ele tem de entender as dificuldades que humanos imperfeitos passam. Quando esteve na Terra, Jesus foi capaz de ‘se alegrar com os que se alegravam’ e de ‘chorar com os que choravam’. (Rom. 12:15) Por exemplo, quando 70 discípulos de Jesus voltaram alegres de uma campanha de pregação e contaram para Jesus os excelentes resultados que tiveram, “ele ficou cheio de alegria”. (Luc. 10:17-21) Mas quando Lázaro morreu e Jesus viu a dor que as pessoas que o amavam sentiam, Jesus “se comoveu profundamente e ficou aflito”. — João 11:33.

2. Por que Jesus conseguia mostrar consideração pelas pessoas?

2 Mesmo sendo perfeito, Jesus tratava humanos imperfeitos com consideração. Por que ele conseguia fazer isso? O principal motivo é que Jesus amava as pessoas. E como vimos no estudo anterior, sua “maior alegria eram os filhos dos homens”. (Pro. 8:31) Esse amor fez Jesus entender muito bem a maneira de pensar das pessoas. O apóstolo João explica: “Ele sabia o que havia nos homens.” (João 2:25) Jesus tratava as pessoas com muito carinho. Ao sentir esse amor, as pessoas queriam ouvir quando Jesus falava sobre o Reino. Se mostrarmos cada vez mais esse mesmo carinho pelas pessoas, teremos resultados melhores na pregação. — 2 Tim. 4:5.

3-4. (a) Se tivermos empatia, como veremos o trabalho de pregação? (b) O que vamos aprender neste estudo?

3 Nós, assim como o apóstolo Paulo, sabemos que temos a obrigação de pregar. (1 Cor. 9:16) Mas se tivermos empatia, não veremos a pregação apenas como uma obrigação. Teremos o desejo de ajudar as pessoas porque nos preocupamos com elas. Nós sabemos que “há mais felicidade em dar do que em receber”. (Atos 20:35) Quando pregamos com isso em mente, somos mais felizes em nosso trabalho.

4 Neste estudo, vamos aprender como podemos mostrar empatia ao fazer discípulos. Primeiro, vamos ver como Jesus mostrava consideração pelas pessoas na pregação. Depois, vamos estudar quatro maneiras de imitar seu exemplo. — 1 Ped. 2:21.

JESUS MOSTRAVA EMPATIA NA PREGAÇÃO

Jesus sentia empatia pelas pessoas, e isso o motivou a compartilhar com elas uma mensagem de consolo (Veja os parágrafos 5 e 6.)

5-6. (a) Jesus sentiu empatia por quem? (b) Assim como predito em Isaías 61:1, 2, por que Jesus teve pena daquelas pessoas?

5 Veja um exemplo de como Jesus mostrou empatia. Certa vez, Jesus e seus discípulos estavam muito cansados depois de pregarem por bastante tempo. Eles não tiveram “folga nem para tomar uma refeição”. Então, Jesus levou os discípulos “para um lugar isolado” onde poderiam “descansar um pouco”. Só que uma grande multidão de pessoas foi para onde Jesus e seus discípulos estavam indo. Quando Jesus chegou lá e viu todas aquelas pessoas, como ele reagiu? Ele ‘teve pena * delas, porque eram como ovelhas sem pastor. E começou a lhes ensinar muitas coisas’. — Mar. 6:30-34.

6 Por que Jesus teve pena das pessoas, ou seja, mostrou empatia por elas? Ele notou que aquelas pessoas “eram como ovelhas sem pastor”. Talvez Jesus tenha percebido que algumas delas eram pobres e tinham que trabalhar muitas horas para sustentar a família. Outras talvez estivessem sofrendo com a morte de alguém que amavam. Jesus era capaz de entender o que elas estavam passando. Como vimos no estudo anterior, o próprio Jesus talvez tenha passado por problemas como esses. Jesus se preocupava com as pessoas e, por isso, queria muito compartilhar com elas uma mensagem de consolo. — Leia Isaías 61:1, 2.

7. Como podemos imitar a Jesus?

7 O que aprendemos do exemplo de Jesus? Assim como ele, nós também estamos cercados por pessoas que são “como ovelhas sem pastor”. Elas enfrentam muitos problemas. E nós temos o que elas precisam — a mensagem do Reino. (Apo. 14:6) Por isso, imitando a Jesus, nós pregamos as boas novas porque sentimos “pena do humilde e do pobre”. (Sal. 72:13) Nós ficamos tristes ao ver o sofrimento das pessoas e queremos fazer algo para ajudá-las.

COMO PODEMOS MOSTRAR EMPATIA?

Leve em conta as necessidades de cada pessoa (Veja os parágrafos 8 e 9.)

8. (a) Cite um modo de mostrarmos empatia na pregação. (b) Por que nosso trabalho de pregação é parecido com o de um médico?

8 Como podemos mostrar empatia pelas pessoas na pregação? Devemos nos colocar no lugar das pessoas e tratá-las do mesmo jeito que gostaríamos de ser tratados. * (Mat. 7:12) Vamos ver quatro modos de fazer isso. Primeiro: leve em conta as necessidades de cada pessoa. Em certo sentido, nosso trabalho de pregação é parecido com o de um médico. Um bom médico para e pensa nas necessidades de cada paciente. Ele faz perguntas e ouve com atenção quando o paciente fala o que está sentindo. O bom médico não vai logo receitando o primeiro tratamento que vem à mente. Pode ser que ele dê um tempo para observar com atenção os sintomas do paciente. Só então ele receita o tratamento ou o medicamento correto. Do mesmo modo, nós temos que levar em conta a situação e o ponto de vista de cada pessoa. Devemos adaptar nossa apresentação de campo dependendo da pessoa que nos escuta.

9. O que não devemos fazer ao pregar para uma pessoa? Qual é a coisa certa a fazer?

9 Quando pregar pela primeira vez para uma pessoa, não vá logo achando que sabe o que ela está passando, em que coisas ela acredita e por quê. (Pro. 18:13) Em vez disso, com jeito, faça perguntas para conhecê-la melhor. (Pro. 20:5) Se for comum em sua cultura, faça perguntas para que ela conte um pouco sobre o trabalho, a família, o que ela já passou na vida e também sobre a maneira como ela pensa. Perguntas assim nos ajudam a descobrir por que aquela pessoa precisa aprender as boas novas. Quando descobrimos isso, podemos imitar a Jesus e mostrar empatia pelas pessoas. Vamos conseguir levar em conta as necessidades delas e dar a ajuda que elas precisam. — Veja também 1 Coríntios 9:19-23.

Ao dar testemunho para uma pessoa, tente imaginar o que ela está passando na vida (Veja os parágrafos 10 e 11.)

10-11. De acordo com 2 Coríntios 4:7, 8, qual é um segundo modo de mostrarmos empatia? Dê um exemplo.

10 Segundo: tente imaginar o que as pessoas estão passando na vida. De um jeito ou de outro, nós podemos nos identificar com a situação delas. Afinal, todos somos imperfeitos e passamos por problemas. (1 Cor. 10:13) Nós sabemos que a vida neste mundo pode ser muito difícil. E nós só conseguimos aguentar porque temos a ajuda de Jeová. (2 Coríntios 4:7, 8.) Mas pense naqueles que não conhecem a Jeová. Como eles podem enfrentar esse mundo sem a ajuda dele? Se tivermos pena das pessoas, assim como Jesus tinha, vamos querer levar para elas “boas novas de algo melhor”. — Isa. 52:7.

11 Veja o exemplo do irmão Botankin. Antes de aprender a verdade, ele era muito tímido e tinha muita dificuldade de falar com outras pessoas. Com o tempo, ele aceitou um estudo bíblico. Botankin conta: “Ao estudar a Bíblia, aprendi que os cristãos têm a obrigação de falar de sua fé a outros. Sinceramente, eu achava que nunca faria isso.” Apesar disso, ele pensava nas pessoas que nunca tinham ouvido a verdade e em como a vida delas sem Jeová devia ser difícil. Botankin diz: “As coisas novas que eu estava aprendendo me davam grande alegria e paz interior. Eu sabia que outras pessoas também precisavam aprender essas verdades.” Quanto mais Botankin sentia pena das pessoas, mais ele ganhava coragem para pregar. Ele conclui: “Para minha grande surpresa, falar com as pessoas sobre a Bíblia aumentou minha autoestima. Também fortaleceu essas novas crenças em meu coração.” *

Algumas pessoas precisam de mais tempo para aceitar as boas novas (Veja os parágrafos 12 e 13.)

12-13. Por que precisamos ser pacientes com as pessoas na pregação? Faça uma comparação.

12 Terceiro: seja paciente ao ensinar. Nós entendemos bem as verdades da Bíblia. Mas muitas pessoas nem mesmo conhecem essas verdades. E pode ser que elas amem bastante as crenças que têm. Além disso, algumas pessoas se sentem ligadas à sua família, sua cultura e sua comunidade justamente por causa da religião que seguem. Como podemos ajudá-las?

13 Pense nesta comparação: O que acontece quando uma ponte velha e malcuidada precisa ser substituída? Geralmente, uma ponte nova é construída enquanto a velha continua sendo usada. Assim que a ponte nova fica pronta, a velha pode ser demolida. Do mesmo modo, antes de pedirmos para uma pessoa abrir mão das suas crenças “velhas”, temos que ajudá-la a “construir” um vínculo com as verdades “novas” — ou seja, com os ensinos da Bíblia que antes ela não conhecia. Só quando o estudante aprender a amar a verdade é que ele vai conseguir deixar as crenças antigas para trás. Mas fazer isso pode levar tempo. — Rom. 12:2.

14-15. Como podemos ajudar alguém a entender a esperança de viver para sempre em um paraíso na Terra? Dê um exemplo.

14 Não podemos esperar que, logo na primeira conversa, as pessoas entendam ou aceitem a verdade da Bíblia. Temos que ter paciência e empatia, raciocinando com elas sobre a Bíblia durante algum tempo. Por exemplo, pense em como podemos explicar para alguém a esperança de viver para sempre num paraíso na Terra. Muitos sabem pouco ou nada sobre esse ensino. Eles talvez achem que a morte é o fim de tudo ou que todas as pessoas boas vão para o céu. Como podemos ajudá-los?

15 Um irmão conta como ele faz para explicar sobre a esperança do Paraíso. Primeiro, ele lê Gênesis 1:28. Daí, ele pergunta para o morador: “Em sua opinião, onde Deus queria que os humanos vivessem e de que maneira?” A maioria dos moradores responde que a vontade de Deus era que as pessoas vivessem na Terra e tivessem uma vida boa. Então, o irmão lê Isaías 55:11 e pergunta se o objetivo de Deus mudou. Geralmente, o morador responde que não. Por fim, o irmão lê o Salmo 37:10, 11 e pergunta como vai ser o futuro das pessoas. Com esses textos, o irmão já ajudou várias pessoas a entender que Deus ainda quer que pessoas boas vivam para sempre em um paraíso na Terra.

Um gesto pequeno de bondade, como uma carta, pode dar bons resultados (Veja os parágrafos 16 e 17.)

16-17. Pensando no que diz Provérbios 3:27, como podemos mostrar na prática que nos importamos com as pessoas? Cite um exemplo.

16 Quarto: mostre na prática que você se importa. Por exemplo, o que devemos fazer se chegarmos na casa de um morador numa hora que é ruim para ele? Podemos nos desculpar e nos oferecer para voltar em outro momento. Ou digamos que o morador precise de ajuda com alguma tarefa pequena ou não possa sair de casa e precise de um favor. O que vamos fazer? Em situações assim, talvez possamos ajudar a pessoa. — Provérbios 3:27.

17 Mesmo gestos que parecem pequenos podem ter bons resultados. Por exemplo, uma irmã ficou sabendo que um bebê tinha falecido. Sentindo pena da família, ela escreveu uma carta com alguns textos bíblicos de consolo. Qual foi a reação da família? A mãe do bebê escreveu: “Meu dia estava péssimo ontem. Acho que você nem imagina como a sua carta nos fez bem. Não tenho palavras para agradecer nem para descrever como nos sentimos consolados. Eu devo ter lido a sua carta mais de 20 vezes ontem. Nós realmente não esperávamos receber uma carta com palavras tão bondosas, carinhosas e animadoras. Agradecemos muito, do fundo do nosso coração.” Sem dúvida, quando nos colocamos no lugar de quem está sofrendo e tentamos fazer algo para ajudá-lo, podemos ter excelentes resultados.

TENHA UM PONTO DE VISTA EQUILIBRADO

18. De acordo com 1 Coríntios 3:6, 7, que ponto de vista equilibrado precisamos ter?

18 É importante sermos equilibrados nesse assunto. É claro que temos uma participação em ajudar as pessoas a aprender sobre Deus, mas não somos nós que fazemos a parte mais importante nesse trabalho. (1 Coríntios 3:6, 7.) Jeová é quem atrai as pessoas. (João 6:44) No final das contas, se uma pessoa vai aceitar ou não as boas novas vai depender do coração dela. (Mat. 13:4-8) Lembre-se de que a maioria das pessoas não aceitou a mensagem que Jesus pregou — e ele foi o maior Instrutor que já existiu! Por isso, não fique desanimado se muitos daqueles que você tenta ajudar não aceitarem as boas novas.

19. Quais são os benefícios de mostrarmos empatia na pregação?

19 Mostrar empatia pelas pessoas na pregação traz muitos benefícios. O trabalho de pregar se torna mais agradável. Vamos sentir que realmente há mais alegria em dar do que em receber. E vamos abrir as portas para que todos os que têm “a disposição correta para com a vida eterna” aceitem as boas novas. (Atos 13:48) Por isso, “enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos”. (Gál. 6:10) Assim, poderemos sentir a alegria de honrar nosso Pai nos céus, Jeová. — Mat. 5:16.

CÂNTICO 64 Participamos com alegria na colheita

^ parágrafo 5 Quando mostramos empatia ao fazer discípulos, temos mais alegria e, muitas vezes, nossos resultados são melhores. Neste artigo vamos aprender com o exemplo de empatia que Jesus mostrou. Também vamos ver quatro maneiras práticas de mostrar consideração pelas pessoas que encontramos no trabalho de pregação.

^ parágrafo 5 ENTENDA MELHOR: Na Bíblia, pena é o sentimento de compaixão que uma pessoa tem por alguém que está sofrendo ou sendo maltratado. Esse sentimento leva uma pessoa a fazer todo o possível para ajudar quem precisa.

^ parágrafo 8 Veja o artigo “Siga a Regra de Ouro na pregação”, na w14 15/5 2:1-18.

^ parágrafo 11 Veja A Sentinela de 1.° de agosto de 2011, páginas 21-22.